Fundo Ebullio deixa mercado de metais dominado por bancos e tradings

segunda-feira, 2 de setembro de 2013 14:59 BRT
 

LONDRES, 2 Set (Reuters) - O fundo de hedge Ebullio Capital Management informou que deixou o mercado físico de metais depois das dificuldades para competir em um ambiente dominado por grandes bancos e tradings, que estão enfrentando um escrutínio regulatório dos EUA em seus negócios de commodities metálicas.

Uma "seca" em financiamento para negociações de metais desde a crise financeira global também reduziu os lucros, segundo o executivo e sócio da companhia com sede no Reino Unido, Lars Steffensen.

"É um mercado que tem sido controlado por bancos e tradings, e os outros não podem operar. Isso está O.K., isso é o negócio, mas podemos optar por não estar nesse negócio", disse Steffensen à Reuters.

O grupo Ebullio, que tem cerca de 250 milhões de dólares em ativos, estava planejando encerrar sua participação no mercado físico de metais, quando uma disputa com o comerciante de commodities Noble resultou na liquidação do fundo, Steffensen disse.

A Noble não estava imediatamente disponível para comentar o assunto.

O fundo, que costumava ser carro-chefe da Ebullio, chegou a dar um retorno anual de 80 por cento em negócios de cobre, por exemplo, mas a margem agora é de 1 a 2 por cento, disse Steffensen.

"Hoje, por causa das baixas taxas de juros e de propriedade de armazéns pelos bancos e casas de comércio, tornou-se impossível a obtenção de metais no mercado à vista do lado de fora dos armazéns --ou você tem que pagar prêmios muito altos, o que é proibitivo."

Os bancos Goldman Sachs e JP Morgan e a mineradora Glencore Xstrata estão lutando contra uma enxurrada de ações judiciais dos Estados Unidos, que acusam suas subsidiárias de acumularem metais e de inflarem artificialmente os preços.

(Por Maytaal Angel e Eric Onstad)