Dólar cai 0,49% ante real com sinais de melhora da China

segunda-feira, 2 de setembro de 2013 17:10 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO, 2 Set (Reuters) - O dólar fechou em queda ante o real nesta segunda-feira diante do maior apetite de investidores por ativos de risco, após dados que mostraram fortalecimento da economia chinesa e sinais de que a intervenção militar dos Estados Unidos na Síria não é tão iminente.

O dólar perdeu 0,49 por cento, a 2,3735 reais na venda, em um movimento de correção após cravar o quarto mês consecutivo de alta em agosto. Em relação ao peso mexicano e ao peso chileno, a moeda dos Estados Unidos caía 0,44 por cento e 0,21 por cento, respectivamente.

O volume de negociação ficou reduzido em cerca de 520 milhões de dólares, segundo dados da BM&F, devido ao feriado do Dia do Trabalho, nos Estados Unidos, que deixava investidores mais cautelosos, evitando fazer grandes apostas com o mercado norte-americano fechado.

"Realmente, estamos ao sabor dos acontecimentos. Estamos reagindo aos dados da China e aqui a gente sabe que há um ajuste do nosso dólar", afirmou o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

"Como o dólar andava muito valorizado, o mercado está tentando dar um ajuste técnico para tentar chegar a um patamar confortável para todo mundo", acrescentou Galhardo.

Mais cedo, a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) informou que a atividade industrial da China cresceu pela primeira vez em quatro meses em agosto, aumentando a procura de investidores por ativos de maior risco e provocando, assim, uma desvalorização generalizada do dólar nos mercados emergentes, sobretudo, no Brasil.

"O dado da China sem dúvida está contribuindo para essa valorização do real. Diminuíram um pouco as preocupações", disse o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Além disso, contribuiu para o desempenho no mercado de câmbio a perspectiva de que um ataque dos EUA à Síria não é tão iminente, à medida que o presidente norte-americano Barack Obama busca apoio do Congresso para a ação militar.   Continuação...