Indústria e gastos com construção dos EUA sugerem retomada do crescimento

terça-feira, 3 de setembro de 2013 14:27 BRT
 

Por Luciana Lopez

NOVA YORK, 3 Set (Reuters) - Dados mais fortes que o esperado sobre a indústria dos Estados Unidos e os gastos com construção do país divulgados nesta terça-feira indicam que a maior economia do mundo está ganhando força, potencialmente sustentando as visões de que o banco central norte-americano irá em breve desacelerar seu programa maciço de compra de títulos.

O setor industrial dos Estados Unidos cresceu no ritmo mais rápido em mais de dois anos no mês passado, com o índice de atividade industrial nacional do Intituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) subindo para 55,7 em agosto, ante 55,4 no mês anterior.

O resultado superou confortavelmente as expectativas de 54, com o índice no nível mais alto desde junho de 2011.

Leitura acima de 50 indica expansão no setor.

"Esse foi claramente um relatório positivo, indicando maior aceleração do ímpeto da indústria em agosto", disse o diretor de pesquisa e estratégia do TD Securities, Millan Mulraine.

As novas encomendas também tiveram o melhor nível em mais de dois anos, com esse subíndice saltando de 58,3 para 63,2. O emprego, entretanto, caiu para 53,3 ante 54,4.

A leitura de novas encomendas subtraindo os estoques, uma maneira de estimar a chamada demanda final, marcou a máxima em mais de três anos. Essa medida de demanda já cresceu por três meses seguidos até o momento, potencialmente aumentando as evidências para apoiar a redução das compras de títulos do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos.

Os gastos com construção nos Estados Unidos aumentaram em julho, também, subindo 0,6 por cento para taxa anual de 901 bilhões de dólares, informou o Departamento do Comércio. A taxa de crescimento ficou acima da mediana das projeções em pesquisa da Reuters com analistas.   Continuação...

 
Placa indica que casas de luxo da Toll Brothers já foram vendidaas antes do término da construção, nos EUA. Dados mais fortes que o esperado sobre a indústria dos Estados Unidos e os gastos com construção do país divulgados nesta terça-feira indicam que a maior economia do mundo está ganhando força, potencialmente sustentando as visões de que o banco central norte-americano irá em breve desacelerar seu programa maciço de compra de títulos. 20/08/2013 REUTERS/Mike Blake