Produção da Petrobras cai, mas não afeta previsões--analistas

terça-feira, 3 de setembro de 2013 18:48 BRT
 

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO, 3 Set (Reuters) - A queda na produção da Petrobras entre junho e julho não afeta a expectativa de dias melhores para a estatal no último trimestre do ano, avaliaram bancos de investimentos e analistas de mercado consultados pela Reuters nesta terça-feira.

A estatal informou na noite de segunda-feira que produziu 1,888 milhão de barris de petróleo por dia (bpd) em julho no Brasil, queda de 4,6 por cento ante junho.

"Algum declínio já era esperado após a produção mais forte do que o esperado em junho (que estávamos chamando de um soluço de produção), mas acabou mais suave do que a redução de 6 por cento na produção total de petróleo no Brasil, conforme anunciado pela ANP mais cedo ontem", afirmou o J.P Morgan em relatório desta terça-feira assinado por Caio Carvalhal e Felipe Santos.

"A pergunta mais importante continua sendo quando vamos ver a produção retomar crescimento... nossa expectativa é que o crescimento sustentável da produção deva ocorrer após o início dos grandes sistemas P-63 e P-55 , previsto para setembro."

Outro analista que pediu para não ser identificado afirmou que o resultado da produção de julho não deve afetar as metas de produção da empresa, com previsão de elevar a extração de óleo nos próximos meses.

Em junho a produção, que inclui óleo e líquido de gás natural (LGN), havia sido de 1,979 milhão de bpd. No ano, a média de produção de petróleo da estatal está em 1,916 milhão de barris por dia no Brasil.

As ações da Petrobras fecharam em queda de 0,94 por cento nesta terça-feira.

"A redução no mês foi consequência de paradas programadas de plataformas na Bacia de Campos", disse a empresa, em comunicado.

A unidades afetadas foram a P-40, localizada no campo de Marlim Sul, a P-20, em Marlim, a PPM-1, em Pampo e o FPSO-RJ em Espadarte.   Continuação...