Brasil cai em ranking de competitividade por economia e infraestrutura

terça-feira, 3 de setembro de 2013 19:03 BRT
 

SÃO PAULO, 3 Set (Reuters) - O Brasil perdeu oito posições no ranking das economias mais competitivas do mundo, em meio à piora macroeconômica e à falta de avanços nos investimentos de infraestrutura, mostrou nesta terça-feira o Relatório Global de Competitividade, do Fórum Econômico Mundial (WEF) com a Fundação Dom Cabral (FDC).

Na edição deste ano, que analisou 148 economias, o Brasil voltou a ocupar a posição 56 no ranking elaborado por meio de uma pesquisa de opinião com executivos, a mesma de 2009, atrás de países como China e África do Sul, que ocupam as 29a e 53a posições, respectivamente, mas na frente dos outros países do BRICS, Índia e Rússia, em 60o e 64o lugares, nesta ordem.

Segundo o professor da Fundação Dom Cabral, Carlos Arruda, responsável pela análise e coleta de dados do Brasil, a economia interna e itens como ambiente regulatório pesaram na avaliação do país.

"O Brasil teve perdas marginais como piora nas finanças públicas", disse. "Nom ambiente regulatório, o Brasil não fez nada de errado, mas também não avançou. Em função disso, o Brasil pode perder (mais posições)".

Os problemas de infraestrutura e a dificuldade do governo de levar adiante seus planos de concessão de rodovias, aeroportos e ferrovias dentro dos prazos também pesaram na avaliação brasileira.

"Em todos os indicadores de infraestrutura básica, o Brasil está entre os 100 piores", afirmou Arruda, acrescentando que para melhorar a avaliação do país neste quesito, além de realizar as concessões, é necessário fazer os investimentos e as obras na velocidade adequada.

"Não adiantam obras em vários setores se não resolver os problemas críticos; soluções de estocagem em instalações portuárias são urgentes".

Por outro lado, o professor destacou que em itens como sofisticação de negócio e inovação, o Brasil permanece bem avaliado, com executivos vendo como positivas a qualidade das empresas e a capacidade de inovação, apesar de investimentos em pesquisa e desenvolvimento w do número de engenheiros estarem abaixo do necessário.

Na primeira posição do ranking está a Suíça, seguida por Cingapura, Finlândia, Alemanha, Estados Unidos e Suécia.   Continuação...