China apoia Rússia sobre Síria em cúpula do G20

quinta-feira, 5 de setembro de 2013 08:47 BRT
 

Por Timothy Heritage

SÃO PETERSBURGO, Rússia, 5 Set (Reuters) - A China advertiu nesta quinta-feira que uma intervenção militar na Síria vai prejudicar a economia mundial e elevar o preço do petróleo, reforçando a tentativa do presidente russo, Vladimir Putin, de convencer o presidente dos EUA, Barack Obama, a desistir de realizar ataques aéreos.

As diferenças sobre a Síria podem ofuscar a cúpula do Grupo dos 20 países desenvolvidos e em desenvolvimento em São Petersburgo, em que líderes globais buscam estabelecer uma frente unida para o crescimento, o comércio, a transparência bancária e o combate à evasão fiscal.

O clube que corresponde a dois terços da população mundial e a 90 por cento da produção do mundo está dividido sobre questões como a turbulência nos mercados emergentes e a decisão do Federal Reserve de acabar com seu programa de estímulo à economia dos EUA.

Mas não há racha maior do que a diferença entre os EUA e a Rússia sobre uma possível intervenção militar na Síria para punir o presidente Bashar al-Assad por um ataque com armas químicas que matou centenas de pessoas em 21 de agosto.

Putin ficou isolado sobre a Síria em uma reunião do Grupo dos Oito, em junho, na última grande reunião das potências mundiais, mas agora terá o apoio da China na cúpula do G20 na antiga capital imperial da Rússia.

"Uma ação militar teria um impacto negativo sobre a economia global, especialmente sobre o preço do petróleo -- vai causar um aumento no preço do petróleo", disse o vice-ministro das Finanças da China, Zhu Guangyao, antes do início das negociações dos líderes do G20.

Como a Rússia, um dos principais fornecedores de armas à Síria, a China tem poder de veto no Conselho de Segurança da ONU. Assim, Obama não deve obter a aprovação do Conselho de Segurança para uma ação militar na Síria, mas está buscando a aprovação do Congresso dos EUA.

 
Vice-ministro das Finanças da China, Zhu Guangyao, comparece a uma coletiva de imprensa durante a reunião de cúpula do G20 em Strelna, próximo a São Petersburgo, Rússia. A China advertiu nesta quinta-feira que uma intervenção militar na Síria vai prejudicar a economia mundial e elevar o preço do petróleo, reforçando a tentativa do presidente russo, Vladimir Putin, de convencer o presidente dos EUA, Barack Obama, a desistir de realizar ataques aéreos. 5/09/2013. REUTERS/Mikhail Kireev/RIA Novosti/Pool