Dados de emprego e serviços dos EUA sugerem que Fed pode reduzir estímulo em breve

quinta-feira, 5 de setembro de 2013 14:31 BRT
 

Por Jason Lange e Luciana Lopez

WASHINGTON/NOVA YORK, 5 Set (Reuters) - Dados sólidos de empregos e do setor de serviços dos Estados Unidos divulgados nesta quinta-feira reforçaram as visões de que o Federal Reserve, banco central do país, pode começar a desacelerar seu programa de compra de títulos já neste mês, mas a queda nas encomendas à indústria destacaram incertezas acerca do cenário econômico.

O ritmo de crescimento no setor de serviços dos Estados Unidos acelerou em agosto para o ritmo mais rápido em quase oito anos, mostrou relatório do Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês).

O ISM informou que seu índice de serviços subiu para 58,6, maior nível desde dezembro de 2005, ante 56 em julho. A leitura superou com folga as expectativas dos economistas de 55 e ficou acima das projeções mais otimistas.

"Os serviços representam aproximadamente 85 por cento da economia, então a expansão contínua do setor é crítica para a continuidade da recuperação da economia em geral", escreveu o economista Thomas Simons, da Jefferies & Co, em nota a clientes.

Além disso, os empregadores do setor privado norte-americano abriram 176 mil vagas em agosto, e os novos pedidos de auxílio desemprego caíram na semana passada para mínima em quase cinco anos.

Os dados podem ajudar a convencer o Fed de que a maior economia do mundo está pronta para se sustentar por si só, apta a resistir à redução dos 85 bilhões de dólares por mês em compras de Treasuries e títulos hipotecários.

Entretanto, as novas encomendas de bens industriais recuaram em julho com a maior força em quatro meses, uma indicação preocupante sobre o crescimento econômico no terceiro trimestre.

O Departamento do Comércio disse que as novas encomendas de bens industriais caíram 2,4 por cento. Analistas consultados pela Reuters esperavam queda mais forte.   Continuação...