CMN regulamenta certificado de operações estruturadas para bancos

quinta-feira, 5 de setembro de 2013 17:18 BRT
 

Por Luciana Otoni e Natalia Gómez

5 Set (Reuters) - O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou nesta quinta-feira a regulamentação para emissão dos Certificados de Operações Estruturadas (COE), novo instrumento de captação para bancos de investimento e bancos de grande poderem alongar as operações.

Os certificados entram em vigor em janeiro de 2014, após a montagem de um sistema de registro das operações e, segundo avaliação do Banco Central, terão a vantagem de ampliar os prazos das captações para acima de 12 meses.

Nas operações em curso no mercado, o investidor aporta recursos para investimento e o banco monta uma estrutura de aplicação baseada em instrumentos diversos, como ação e aplicações nos mercados de opção e de futuros, entre outros.

Para o BC, os certificados de operações estruturadas representam uma evolução por reunir diferentes investimento em um instrumento, aumentando o poder de monitoramento da autoridade monetária e o acompanhamento dos investidores.

"Muitas dessas operações são feitas isoladamente, havendo mais dificuldade tanto para o BC quanto para os investidores em olhar o conjunto das operações", explicou uma fonte do BC que acompanhou a montagem do novo instrumento financeiro.

"O COE nasce blindado. Uma vez emitido naquelas condições específicas ele será (um papel) único e indivisível, ou seja, a operação feita tem que ir até o fim (do prazo)", disse a fonte.

Para o investidor, a vantagem será a maior facilidade para acompanhar os investimentos, segundo a Anbima, pois cada certificado explicitará sua estratégia de investimento.

"Há ganhos de transparência para os investidores, que passam a monitorar apenas um instrumento, e para os reguladores, que têm uma ideia mais clara da exposição dos clientes", disse a presidente do Comitê de Produtos de Tesouraria da Anbima, Angela Zago, por meio de nota.   Continuação...