Inadimplência no comércio cresce 0,72% em agosto--SPC

terça-feira, 10 de setembro de 2013 15:48 BRT
 

10 Set (Reuters) - Depois de cair por quatro meses seguidos, a inadimplência do consumidor brasileiro no comércio subiu 0,72 por cento em agosto ante o mesmo mês do ano passado, segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Os economistas do SPC preveem que a inadimplência terá novas altas nos próximos meses e começará a recuar com a proximidade das festas de final de ano, período em que tradicionalmente há uma maior recuperação de crédito.

Na comparação com julho, a taxa de inadimplência acima de 90 dias avançou 1,34 por cento em agosto. Entre janeiro e agosto, ante igual período do ano passado, o indicador cresceu 4,64 por cento.

As consultas ao banco de dados do SPC Brasil, que refletem o nível de atividade no varejo para compras parceladas, caíram 0,62 por cento em agosto ante mesmo período de 2012, primeiro recuo em 20 meses.

Para os economistas do SPC Brasil, o principal fator responsável pela retração é a falta de confiança do consumidor, que tem evitado tomar crédito para não comprometer ainda mais o orçamento familiar com novas despesas. Ao mesmo tempo, os lojistas e os bancos estão mais criteriosos para conceder crédito.

"Estamos observando uma tendência de maior rigor no processo de concessão de crédito por parte do varejista e uma maior cautela das famílias na hora de se endividar com compras a prazo", afirmou Roque Pellizzaro Junior, presidente da CNDL, em comunicado. Ele citou outros fatores como a redução do poder de compra ocasionado pela inflação e o dólar apreciado.

Na comparação com julho, as vendas cresceram 0,80 por cento, e no acumulado do ano o avanço foi de 4,74 por cento.

O percentual de recuperação de crédito no varejo, que reflete o número de pessoas que regularizaram dívidas em atraso, caiu 0,95 por cento em agosto sobre o mesmo mês do ano passado.

Em relação a julho, o cancelamento de registros de inadimplência caiu 0,33 por cento. No acumulado do ano, o indicador é positivo em 3,38 por cento, segundo o indicador do SPC Brasil.

(Por Natalia Gómez)