11 de Setembro de 2013 / às 19:44 / 4 anos atrás

Nordeste vai "importar" mais etanol do centro-sul do Brasil--Datagro

SÃO PAULO, 11 Set (Reuters) - O Nordeste brasileiro deverá “importar” 33 por cento a mais de etanol da região centro-sul na temporada 2013/14, devido a um maior consumo e uma menor produção do biocombustível na região, estimou nesta quarta-feira a consultoria Datagro.

A safra 2013/14 da cana no Nordeste começou em 1o de setembro, diferentemente da do centro-sul, que já passa da metade.

As transferências de etanol deverão subir para 1,86 bilhão de litros de etanol em 2013/14, contra 1,4 bilhão em 2012/13.

Cerca de 80 por cento do etanol comprado pelo Nordeste do centro-sul é anidro, usado na mistura da gasolina (na proporção de 25 por cento) --combustível cujo consumo tem crescido fortemente na região.

A média do consumo de gasolina C (já com adição de etanol anidro) subiu 84 por cento no Nordeste entre 2009 e 2013, devido principalmente ao aumento da frota de veículos, disse a Datagro, citando dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Segundo a consultoria, a produção de etanol no Norte/Nordeste deverá ser de 1,59 bilhão de litros na temporada que está começando, contra 1,84 bilhão no período anterior.

“Quando a gente faz balanço de safra, dá um rombo no Nordeste. Está tendo mais transferência”, disse a jornalistas o presidente da Datagro, Plinio Nastari.

Com esse déficit de etanol no Nordeste, as maiores beneficiadas são usinas de Goiás, Mato Grosso e norte de Minas Gerais.

“Essas usinas que antes estavam mal localizadas agora começaram a ter um mercado preferencial para locais como São Luís (MA), Belém (PA), Manaus (AM) e Rondônia”, afirmou Nastari.

Também existe um fluxo de açúcar do centro-sul para o Nordeste, ressaltou o pesquisador.

Todos esses fatores tornam os preços do etanol no Nordeste mais elevado do que em São Paulo, por exemplo.

Enquanto a média dos preços do anidro em São Paulo ficou em 1,23 real por litro em agosto, a média em Alagoas foi de 1,60 real e 1,62 real por litro em Pernambuco, de acordo com indicadores do Cepea.

IMPACTO DO AÇÚCAR

Segundo Nastari, o impacto sobre os preços no Nordeste serão imediatos caso ocorra elevação dos preços do açúcar no mercado internacional.

“O produto que é transferido, se o preço internacional subir, também vai ficar mais caro. Se a base no centro-sul não for mais 16,5 (centavos de dólar por libra-peso de açúcar) e sim 20 (centavos), por exemplo”, disse o presidente da Datagro.

Atualmente o açúcar negociado na bolsa de Nova York (ICE) está no patamar de 17 centavos por libra-peso, tendo registrado a mínima de três anos em julho, a 16 centavos.

Por Gustavo Bonato

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below