Dólar fecha em leve queda, a R$2,2803, por grande operação de venda

quarta-feira, 11 de setembro de 2013 17:31 BRT
 

Por Bruno Federowski e Tiago Pariz

SÃO PAULO, 11 Set (Reuters) - O dólar voltou a fechar em queda ante o real nesta quarta-feira, reagindo à liquidação de uma grande posição comprada da divisa norte-americana, após o Tesouro Nacional não aceitar a oferta de um investidor que queria trocar seus títulos de dívida pública remunerados pelo câmbio por papéis atrelados à inflação.

A moeda norte-americana recuou 0,07 por cento, para 2,2803 reais na venda. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 2,3 bilhões de dólares --ante média diária de 1,5 bilhão de dólares em agosto.

Um grande player do mercado financeiro se preparou para trocar papéis da dívida pública atrelados ao câmbio --Notas do Tesouro Nacional-Série A (NTN-A)-- por Notas do Tesouro Nacional-Série B --cujo rendimento é atrelado à inflação-- travando uma posição comprada no mercado de câmbio.

Quando o Tesouro não aceitou a oferta de troca por conta das exigências feitas, o agente do mercado liquidou a sua posição em dólares no mercado, o que reverteu a tendência de alta da moeda norte-americana.

"No leilão de troca de títulos públicos de hoje, ofereceram um lote grande de NTN-A, mas o dealer teve que desfazer a posição (comprada) que tinha montado porque o Tesouro não aceitou a oferta", afirmou um operador de um banco estrangeiro sob condição de anonimato, acrescentando que o montante total da operação foi de cerca de 3 bilhões de reais.

Como isso, o volume de negócios na BM&F aumentou subitamente à tarde, o dólar anulou a alta ante o real vista mais cedo e passou a cair, atingindo na mínima do dia a cotação de 2,2661 reais. Durante a manhã, a divisa alcançou a cotação máxima do dia a 2,3077 reais.

O Tesouro Nacional realiza periodicamente leilões de troca de NTN-Bs e permite também que detentores de NTN-As se livrem desses papéis que têm vencimento em 2024 e não são mais emitidos pelo Tesouro Nacional.

Títulos NTN-A são instrumentos corrigidos pela variação cambial, emitidos entre 1988 e 1992, durante o programa de reestruturação da dívida externa brasileira conhecido como "Plano Brady".   Continuação...