Bancos ainda são muito grandes para falir--Banco Nacional Suíço

sábado, 14 de setembro de 2013 14:05 BRT
 

SÃO PAULO, 14 Set (Reuters) - Ainda é precisa fazer mais para evitar que os bancos globais desacelerem sem prejudicar a economia em geral, disse numa entrevista a um jornal, publicada no sábado, Thomas Jordan, presidente do Banco Nacional Suíço (SNB - Swiss National Bank).

"O problema 'grande demais para falir' ainda não está totalmente resolvido," disse Jordan ao Finanz und Wirtschaft.

As autoridades têm lutado desde o colapso do banco de investimentos Lehman Brothers, há cinco anos, com a questão de como os bancos considerados sistematicamente importantes, ou grandes demais para falir, podem ser recapitalizados, sem causar pânico ou precisar do dinheiro do contribuinte.

Depois que o maior banco da Suíça, UBS, precisou ser socorrido pelo governo em 2008, os legisladores suíços implementaram novas exigências para os bancos, que vão além das regras estipuladas pelo acordo de Basiléia III.

"Se a desaceleração não é possível, então as defesas terão que ser aumentadas consequentemente," disse Jordan, acrescentando que havia várias possibilidades incluindo possíveis títulos conversíveis.

No seu relatório anual de estabilidade, publicado em junho, o SNB pressionou o UBS e o Credit Suisse a melhorar ainda mais seus níveis de alavancagem. O financeiro regulador do mercado suíço exige um índice de 4,3 por cento até 2019.

"O que importa agora é que os bancos implementem os respectivos requisitos de forma consistente e rápida", disse Jordan. "Se outras medidas serão necessárias, vai depender sobretudo, se o objetivo de uma liquidação ordenada, dos principais bancos internacionais, será alcançada.

Jordan disse que não acha que seria melhor separar os bancos de investimento dos bancos de varejo.

"Desde que os bancos tenham um capital social suficientemente elevado e uma estrutura que lhes permita utilizá-lo, à sua disposição, eles podem escolher sua estratégia de negócios preferida", disse.

(Reportagem de Caroline Copley)

 
Thomas Jordan, presidente do Banco Nacional Suíço (SNB - Swiss National Bank), durante entrevista à imprensa em Bern, na Suiça, 20 de junho de 2013. Ainda é precisa fazer mais para evitar que os bancos globais desacelerem sem prejudicar a economia em geral, disse Jordan numa entrevista a um jornal, publicada no sábado. REUTERS/Ruben Sprich