Preços ao consumidor dos EUA praticamente estáveis, mas aluguéis têm alta

terça-feira, 17 de setembro de 2013 11:31 BRT
 

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON, 17 Set (Reuters) - Os preços ao consumidor dos Estados Unidos praticamente não subiram em agosto, mas o aumento dos aluguéis e dos custos de saúde apontaram para uma estabilização na inflação que pode permitir ao Federal Reserve começar a reduzir suas compras de títulos.

O Departamento do Trabalho informou nesta terça-feira que seu Índice de Preços ao Consumidor subiu 0,1 por cento em agosto, depois de ter avançado 0,2 por cento em julho. Nos 12 meses até agosto, a alta dos preços aos consumidor desacelerou para 1,5 por cento, após avanço de 2,0 por cento em julho.

Economistas consultados pela Reuters esperavam que os preços ao consumidor subissem 0,2 por cento no mês passado e que aumentassem 1,6 por cento ante o ano anterior.

Excluindo os componentes voláteis de energia e alimentos, o chamado núcleo dos preços ao consumidor subiu 0,1 por cento, após alta de 0,2 por cento em cada um dos últimos três meses. Os aluguéis e a área de saúde foram responsáveis pela maior parte da alta no núcleo dos preços.

Isso levou a alta dos preços nos últimos 12 meses para 1,8 por cento, a maior desde março. O núcleo dos preços ao consumidor tinha subido 1,7 por cento em julho.

O aumento regular no núcleo de preços na base anual pode aliviar as preocupações entre as autoridades do Fed quanto à possível consolidação de uma tendência desinflacionária.

"Temos a expectativa de que veremos o núcleo subir ainda neste ano", disse o economista Peter Newland do Barclays Capital. "O núcleo da inflação deve se aproximar da meta (do Fed) nos próximos meses".

Mais cedo neste ano o núcleo da inflação estava desacelerando, e alcançou níveis que deixaram algumas das autoridades do Fed desconfortáveis. O núcleo vem subindo nos dois últimos meses a partir da mínima em dois anos de 1,6 por cento atingida em junho.   Continuação...