Funcionários públicos fazem greve na Grécia antes de visita da "troika"

quarta-feira, 18 de setembro de 2013 10:15 BRT
 

ATENAS, 18 Set (Reuters) - Trabalhadores em greve fecharam escolas e forçaram hospitais a trabalhar apenas com equipes de emergência na Grécia nesta quarta-feira, no início de uma greve de 48 horas contra os planos do governo de demitir milhares de funcionários do setor público.

Os esforços para reduzir um serviço público que possui 600 mil funcionários, muitas vezes visto como perdulário e corrupto, têm enfrentado a resistência dos sindicatos, que dizem que os cortes vão piorar a situação dos gregos que enfrentam um sexto ano de recessão.

Convocada pela central sindical do serviço público Adedy, a mais recente paralisação acontece dias antes de uma visita a Atenas da troika, comissão de credores formada por União Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional, para verificar o progresso que o país tem feito sobre as reformas prometidas.

"Um inverno longo, oneroso e doloroso começou", disse a Adedy, que, junto com a central sindical do setor privado GSEE, representa cerca de 2,5 milhões de trabalhadores.

"A verdade é que a cada visita da troika nossa dignidade nacional é destruída. A economia e a sociedade estão em ruínas."

A Grécia deve colocar um total de 25 mil trabalhadores sob um chamado "regime de mobilidade" até o final do ano, no qual os funcionários podem ser transferidos para outros cargos no governo ou demitidos. Atenas também deve cumprir uma meta de 15 mil cortes de empregos em 2013-2014.

A troika socorreu a Grécia com um pacote de ajuda no montante de 240 bilhões de euros (320 bilhões dólares), mas tem alertado que irá interromper a ajuda caso Atenas não avance em reformar o aparato estatal onde as contratações muitas vezes ocorrem por critérios políticos.

(Por Karolina Tagaris)

 
Beneficiários de fundos de seguros sociais estatais gritam palavras de ordem em protesto contra os planos do governo de realizar demissões no setor público, em frente ao Ministério do Trabalho, em Atenas. Trabalhadores em greve fecharam escolas e forçaram hospitais a trabalhar apenas com equipes de emergência na Grécia nesta quarta-feira, no início de uma greve de 48 horas contra os planos do governo de demitir milhares de funcionários do setor público. REUTERS/John Kolesidis