Consórcio Planalto oferece deságio de 42% e vence 1º leilão de concessão de rodovias

quarta-feira, 18 de setembro de 2013 20:28 BRT
 

Por Leonardo Goy e Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO, 18 Set (Reuters) - Um consórcio formado por empresas de pequeno e médio portes venceu, nesta quarta-feira, o primeiro leilão do plano de concessões em logística do governo da presidente Dilma Rousseff, derrotando tradicionais concessionárias de rodovias, ao oferecer um deságio de mais de 40 por cento em relação ao preço-teto do pedágio.

O governo comemorou o resultado do leilão, mas a ausência de uma grande operadora de rodovias no grupo vencedor e o tamanho do deságio geraram discussões sobre a viabilidade econômica da proposta e a execução das obras.

O trecho da BR-050 entre Goiás e Minas Gerais, parte da interligação rodoviária de Brasília-São paulo, foi arrematado pelo Consórcio Planalto, que venceu gigantes nacionais do setor ao oferecer uma tarifa vencedora de 0,04534 real por quilômetro, ante o preço-teto estabelecido pelo governo de 0,07870 real.

O consórcio vai operar o trecho da rodovia federal entre Cristalina, em Goiás, um dos principais Estados produtores agrícolas do Brasil, e a divisa de Minas Gerais com São Paulo, num trecho de 436,6 quilômetros.

Embora tenha celebrado o resultado, que abriu o ambicioso programa do governo de concessões em logística de centenas de bilhões de reais, o ministro dos Transportes, César Borges, garantiu medidas para mitigar o risco de não aparecerem interessados nos próximos leilões. A concessão de trecho da BR-262, prevista para também ocorrer nesta quarta, foi inviabilizada ao não receber propostas.

"Vamos analisar com cuidado os próximos leilões para garantir que teremos sucessos como o de hoje", disse Borges a jornalistas, após o leilão realizado em São Paulo.

Borges assegurou que não haverá flexibilização das regras para a concessionária vencedora, enquanto a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) garantiu que vai fiscalizar o cumprimento de cláusulas contratuais.

O Consórcio Planalto, formado por nove empresas, entre elas Senpar (20 por cento), Greca (20 por cento) e a Construtora Estrutural (10 por cento), venceu gigantes como Ecorodovias, Invepar, Odebrecht, Arteris, Triunfo, Queiroz Galvão e CCR.   Continuação...