Scania diz que antecipação de compras impulsiona demanda na Europa

quinta-feira, 19 de setembro de 2013 09:39 BRT
 

SODERTALJE, Suécia, 19 Set (Reuters) - A sueca Scania não viu a tradicional desaceleração sazonal na demanda na Europa no terceiro trimestre, afirmando que operadores de caminhões têm corrido para comprar novos veículos antes que nova legislação de emissão de poluentes os force a adquirir modelos mais caros a partir de 1o de janeiro.

Uma retomada na demanda por caminhões pesados tem ganhado força no mercado europeu este ano e em julho a Scania havia afirmado que aumentaria a produção no restante do ano.

"Há uma necessidade de substituição e um interesse entre os clientes de investir nos chamados caminhões Euro 5 antes do final do ano. Diante disso, não vemos a tradicional desaceleração nas encomendas europeias durante julho e agosto", disse a companhia controlada pela Volkswagen.

Os novos caminhões com tecnologia de emissões Euro 6 são cerca de 10 mil euros mais caros que a geração anterior, um preço cerca de 5 a 10 por cento maior se comparado aos modelos Euro 5.

BRASIL

Entretanto, enquanto a demanda europeia se recupera, a Scania também afirmou que tem visto moderação no boom do mercado na América Latina ante o trimestre anterior.

"Temos visto alguma desaceleração, mas isso precisa ser colocado sob perspectiva da carteira de encomendas, falta de visibilidade e a demanda extremamente alta que já tivemos", disse o presidente-executivo da Scania, Martin Lundstedt.

Citando uma previsão de demanda pelo grupo para o período de 2012 a 2020, a companhia afirmou que começou a ampliar sua capacidade técnica para acomodar entregas quase duas vezes maiores, a 120 mil veículos por ano, o que vai exigir investimento de 1,5 bilhão de coroas suecas (232 milhões de dólares) ao longo de três anos. Ano passado, a Scania entregou cerca de 61 mil caminhões.

(Por Niklas Pollard e Helena Soderpalm)