Investidores embolsam lucros e Bovespa cai 1% depois de forte alta na véspara

quinta-feira, 19 de setembro de 2013 17:51 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO, 19 Set (Reuters) - O principal índice da Bovespa caiu 1 por cento nesta quinta-feira, devolvendo parte da forte alta da véspera, quando investidores comemoraram a decisão do banco central norte-americano de manter o ritmo atual de seu programa de estímulo à economia.

O Ibovespa recuou 1,09 por cento, a 55.095 pontos. O giro financeiro do pregão foi de cerca de 7 bilhões de reais.

Depois de o índice ter atingido seu maior nível desde o fim de maio na última sessão, com alta de 2,64 por cento, investidores preferiram tomar fôlego antes de efetuar novas compras e optaram por embolsar lucros.

"Depois da alta de ontem, talvez abriu-se espaço para uma realização, mas o 'mood' continua sendo positivo para a bolsa por causa da decisão do Federal Reserve de manter os estímulos", disse o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa. "Isso talvez continue trazendo um fluxo externo maior para cá, pode dar um alento nas próximas semanas".

O Fed surpreendeu os mercados na quarta-feira ao anunciar que manterá por enquanto o ritmo atual de seu programa de compra de títulos, que injeta mensalmente 85 bilhões de dólares na economia. Investidores temem que a redução do programa do Fed reduza a liquidez internacional e o apetite por ativos mais arriscados, como os de países emergentes.

Segundo o analista de renda variável da Leme Investimentos João Pedro Brugger, a queda do índice nesta quinta também refletiu questões de ordem técnica, já que o patamar dos 55 mil pontos, superado na quarta-feira, oferece significativa resistência.

Nesta sessão, exerceu forte influência negativa sobre o índice a ação da petroleira OGX, com queda de 9,09 por cento, devolvendo parte da alta de 10 por cento no último pregão. Derrubaram o Ibovespa ainda os setores de construção e siderurgia, que também haviam subido com força na véspera.

Em sentido oposto, avançaram ambos os papéis da Oi, depois de o Conselho de Administração da empresa de telecomunicações ter aprovado o pagamento de 500 milhões de reais em dividendos intermediários.