Negociação entre ThyssenKrupp e CSN para venda da CSA enfrenta risco de colapso--fonte

segunda-feira, 23 de setembro de 2013 11:43 BRT
 

DUESSELDORF, Alemanha, 23 Set (Reuters) - A siderúrgica alemã ThyssenKrupp pode desistir de tentar vender a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), parte da deficitária divisão Steel Americas, afirmou uma fonte com conhecimento do assunto nesta segunda-feira.

Depois de tentar por mais de um ano encontrar um comprador para a Steel Americas, que inclui uma usina de laminação no Estado norte-americano de Alabama, a ThyssenKrupp não está conseguindo progredir nas negociações com a Companhia Siderúrgica Nacional sobre a venda da CSA, disse a fonte.

A empresa poderá, no entanto, buscar manter as negociações em curso nas próximas semanas, informou a fonte.

Uma porta-voz da ThyssenKrupp disse que o grupo estava em negociações "muito avançadas" com um potencial comprador sobre a venda das duas usinas. Ela reiterou afirmação anterior de que o grupo alemão está tentando chegar a um acordo em breve.

Representantes da CSN informaram que a companhia não vai comentar o assunto.

A fonte afirmou que a ThyssenKrupp está conseguindo alguns avanços na tentativa de venda da usina no Alabama, possivelmente em uma transação isolada. Porém, o novo comprador terá que assumir o compromisso de comprar produtos semi-acabados da CSA.

Atualmente, a CSA produz placas que são despachadas para a unidade no Alabama para serem laminadas em produtos finais voltados para indústria automotiva e outros setores.

Separadamente, bancos credores do grupo alemão não vão cancelar antecipadamente uma linha de crédito de 2,5 bilhões de euros, apesar da empresa ter violado algumas condições de financiamento, informaram duas fontes com conhecimento das negociações.

Os bancos garantiram à ThyssenKrupp um perdão por violação de covenants sobre o empréstimo sindicalizado que vence em junho de 2014, ajudando a companhia a lidar com suas finanças.

As negociações sobre uma nova linha de crédito ainda não começaram porque os bancos estão esperando pelo resultado do processo de venda da Steel Americas, informaram as fontes.

(Matthias Inverardi, Arno Schuetze e Ludwig Burguer)