Expansão de Santo Antônio terá 65% do financiamento pelo BNDES

terça-feira, 24 de setembro de 2013 12:52 BRT
 

24 Set (Reuters) - A ampliação da usina de Santo Antônio, com investimento estimado em 1,5 bilhão de reais, terá financiamento de 65 por cento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), disse nesta terça-feira o presidente do consórcio responsável pela obra, a Santo Antônio Energia, Eduardo de Melo Pinto.

O restante do investimento será feito com recursos dos sócios e geração de caixa da própria usina, disse o executivo. Os investimentos elevarão a potência da usina de 3.150 MW para 3.568 MW.

O consórcio instalará mais 6 turbinas na usina, que passará, a contar com um total de 50 máquinas. O investimento total, já considerando a ampliação, será de 17,5 bilhões de reais.

CESSÃO DE ENERGIA

O presidente da Santo Antônio Energia disse que o grupo não descarta ir à Justiça para questionar a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que condicionou a autorização para ampliar a usina à cessão de lastro de 24,3 MW médios de garantia física para a usina vizinha, a de Jirau.

Os concessionários de Jirau argumentavam que seus planos de expansão poderiam ser limitados com um aumento da capacidade de Santo. As duas usinas estão instaladas no mesmo rio, o Madeira, em Rondônia.

"Entrar na Justiça é uma hipótese, mas é uma decisão que tem de ser tomada pelos acionistas", disse o executivo, ressaltando que a cessão da energia prejudicaria o retorno do investimento na expansão.

Segundo ele, o consórcio já encaminhou recurso administrativo à Aneel para tentar rever a decisão.

O consórcio Santo Antônio Energia é formado por Furnas, do sistema Eletrobras, com 39 por cento, Odebrecht Energia (18,6 por cento), Andrade Gutierrez (12,4 por cento), Caixa FIP Amazônia Energia (20 por cento) e Cemig, com 10 por cento.

(Por Leonardo Goy)