25 de Setembro de 2013 / às 20:30 / em 4 anos

Dilma busca investidores para infraestrutura em NY e garante que fundamentos do país são sólidos

Por Luciana Lopez

NOVA YORK, 25 Set (Reuters) - Em um esforço para atrair investidores estrangeiros ao Brasil, a presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira em Nova York que os projetos na área de infraestrutura são a grande aposta para o crescimento do país, ao mesmo tempo em que tentou dar garantias sobre a solidez dos fundamentos econômicos do país.

Diante de uma plateia de empresários em um seminário organizado pelo banco Goldman Sachs, Dilma disse que há no país forte demanda por serviços de infraestrutura, rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e energia.

Ela também garantiu aos presentes que o governo brasileiro respeita os contratos e reiterou o compromisso de manter a inflação sob controle e o rigor fiscal.

“O Brasil precisa do investimento e da gestão privadas para fazer face ao desafio de atacar os principais problemas logísticos e de energia”, disse a presidente, que garantiu que o programa federal de concessões na área de infraestrutura já está “em ritmo acelerado”.

“Estamos prevendo concessões de 10.000 km de ferrovias, de 7.500 km de rodovias, de 5 aeroportos internacionais, 33 mil MW de energia, três leilões na área de óleo e gás, dois no modelo de concessões e um no modelo de partilha, e diversos programas de mobilidade urbana, metrôs, monotrilhos, VLTs e BRTs, espalhados pelo país”, afirmou.

Dilma disse aos empresários que os investimentos em infraestrutura são a grande aposta de seu governo para impulsionar o crescimento econômico e declarou, durante o seminário, a preferência de seu governo pelo regime de concessões.

Ela afirmou, no entanto, que nos casos em que não for possível adotar essa estratégia, o governo poderá recorrer a outras fórmulas, como obras públicas e parcerias públicos privadas (PPPs).

Um dos exemplos dados por Dilma foi a duplicação e gestão do trecho da BR-262 entre Minas e Gerais e Espírito, que chegou a entrar num leilão de concessões de rodovias realizado na semana passada, mas não atraiu interessados. A presidente disse que uma das alternativas em estudo para esta rodovia é a PPP.

“O que nós preferimos é a concessão e daremos prioridade ao que pode ser imediatamente concedido”, disse, destacando que além da arrecadação de recursos obtida com as concessões, o governo também procura uma melhor gestão dessas obras.

“Há entraves imensos no Brasil para a gestão de obras. Quando elas são feitas pelo setor privado exclusivamente, elas são mais ágeis, mais eficientes e inclusive de menor custo.”

A presidente disse ainda que o governo federal desenhou um modelo de significativa rentabilidade para o setor privado com vistas a garantir o sucesso de seu programa de concessões, que também inclui condições vantajosas de financiamento.

O leilão da área de petróleo de Libra, a maior do pré-sal, também foi lembrado por Dilma em seu discurso aos empresários em Nova York.

Ela destacou que 7 das 11 empresas que se qualificaram para a disputa estão entre as maiores do mundo e garantiu que Libra será um passo importante para que o Brasil torne-se um player importante no mercado mundial de petróleo.

“Nós sabemos que o Brasil será um exportador de petróleo. Nós estamos caminhando para isso”, disse. “O Brasil vai se posicionar como um grande produtor de petróleo do mundo, e um grande exportador.”

FUNDAMENTOS SÓLIDOS

Dilma ressaltou aos empresários os compromissos de seu governo com a estabilidade econômica e defendeu que o equilíbrio das contas públicas é uma “precondição” para o crescimento da economia.

“Os nossos fundamentos macroeconômicos nunca deixaram de ser sólidos. E nós podemos olhar que o nosso nível de endividamento permaneceu baixo e pouco vulnerável a movimentos bruscos de saída dos investidores”, garantiu.

A presidente enfatizou o modelo de flutuação do câmbio e disse que o governo não está comprometido com um patamar para o real. “O que nós tentamos sempre é diminuir a volatilidade e dar mais previsibilidade aos investidores, empresas e agentes que atuam no Brasil”, disse.

Diante de potenciais investidores no país, Dilma voltou a afirmar que o Brasil respeita contratos, prática iniciada, segundo a presidente, no governo Fernando Henrique Cardoso e mantida em sua gestão e na de seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva.

“Não é possível tratar a questão do respeito aos contratos como se fosse uma questão governamental. Não é uma questão do governo, é uma questão do Estado brasileiro. Não interessa quem fez o contrato”, disse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below