Dilma busca investidores para infraestrutura em NY e garante que fundamentos do país são sólidos

quinta-feira, 26 de setembro de 2013 19:32 BRT
 

Por Luciana Lopez

NOVA YORK, 25 Set (Reuters) - Em um esforço para atrair investidores estrangeiros ao Brasil, a presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira em Nova York que os projetos na área de infraestrutura são a grande aposta para o crescimento do país, ao mesmo tempo em que tentou dar garantias sobre a solidez dos fundamentos econômicos do país.

Diante de uma plateia de empresários em um seminário organizado pelo banco Goldman Sachs, Dilma disse que há no país forte demanda por serviços de infraestrutura, rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e energia.

Ela também garantiu aos presentes que o governo brasileiro respeita os contratos e reiterou o compromisso de manter a inflação sob controle e o rigor fiscal.

"O Brasil precisa do investimento e da gestão privadas para fazer face ao desafio de atacar os principais problemas logísticos e de energia", disse a presidente, que garantiu que o programa federal de concessões na área de infraestrutura já está "em ritmo acelerado".

"Estamos prevendo concessões de 10.000 km de ferrovias, de 7.500 km de rodovias, de 5 aeroportos internacionais, 33 mil MW de energia, três leilões na área de óleo e gás, dois no modelo de concessões e um no modelo de partilha, e diversos programas de mobilidade urbana, metrôs, monotrilhos, VLTs e BRTs, espalhados pelo país", afirmou.

Dilma disse aos empresários que os investimentos em infraestrutura são a grande aposta de seu governo para impulsionar o crescimento econômico e declarou, durante o seminário, a preferência de seu governo pelo regime de concessões.

Ela afirmou, no entanto, que nos casos em que não for possível adotar essa estratégia, o governo poderá recorrer a outras fórmulas, como obras públicas e parcerias públicos privadas (PPPs).

Um dos exemplos dados por Dilma foi a duplicação e gestão do trecho da BR-262 entre Minas e Gerais e Espírito, que chegou a entrar num leilão de concessões de rodovias realizado na semana passada, mas não atraiu interessados. A presidente disse que uma das alternativas em estudo para esta rodovia é a PPP.   Continuação...