Confiança da indústria recua 1,0% em setembro e tem menor nível desde 2009

quinta-feira, 26 de setembro de 2013 20:12 BRT
 

SÃO PAULO, 26 Set (Reuters) - O Índice de Confiança da Indústria (ICI) recuou 1,0 por cento em setembro em relação ao que foi registrado no final do mês anterior, ao passar de 99,0 pontos para 98,0 pontos, menor nível desde julho de 2009.

De acordo com dados divulgados nesta quinta-feira pela Fundação Getúlio Vargas, o Índice da Situação Atual (ISA) caiu 0,6 por cento, para 98,9 pontos. Já o Índice de Expectativas (IE) perdeu 1,4 por cento, para 97,1 pontos.

"A permanência da confiança industrial em patamar historicamente baixo sinaliza ritmo de atividade ainda lento ao final do terceiro trimestre de 2013, considerando-se indicadores livres de influência sazonal", avaliou a FGV.

O indicador que avalia o grau de satisfação com o nível de demanda total no momento foi o que mais contribuiu para a queda do ISA ao retornar ao nível de julho passado com 95,8 pontos, que era o menor desde julho de 2009 (94,1).

A proporção de empresas avaliando o nível atual de demanda como forte caiu de 13,9 por cento em agosto para 10,0 por cento em setembro e a parcela de empresas que consideram o nível de demanda fraco caiu de 17,0 por cento para 14,2 por cento.

Em relação ao IE, o maior impacto negativo veio do Indicador de Emprego Previsto, que recuou pelo terceiro mês consecutivo, para 102,2 pontos, o menor patamar desde junho de 2009 (98,0).

A proporção de empresas que preveem aumento no total de pessoal ocupado nos três meses seguintes recuou de 17,0 por cento em agosto para 13,9 por cento em setembro. A parcela das que preveem redução também diminuiu, ao passar de 12,4 por cento para 11,7 por cento.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) estabilizou-se em 84,2 por cento em setembro.

A indústria brasileira vem enfrentando uma gangorra neste ano. A queda de 2 por cento da produção em julho ante o mês anterior levou a atividade econômica brasileira a iniciar o terceiro trimestre com contração de 0,33 por cento em julho, de acordo com o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central.

(Por Camila Moreira)