Desemprego no Brasil cai a 5,3% em agosto; rendimento volta a subir

quinta-feira, 26 de setembro de 2013 20:41 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO, 26 Set (Reuters) - A taxa de desemprego brasileira caiu para 5,3 por cento em agosto, melhor resultado desde dezembro, com o rendimento da população voltando a subir após cinco meses de queda.

"Houve uma inflexão da curva do desemprego com entrada de pessoas no mercado do trabalho e redução na desocupação, mas não dá para dizer que o mercado está bom porque ainda temos quase 1,3 milhão de pessoas na fila do emprego", disse o pesquisador do IBGE, Cimar Azeredo.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população ocupada cresceu 0,4 por cento em agosto na comparação com julho e aumentou 1,2 por cento ante o mesmo período do ano passado, totalizando 23,225 milhões de pessoas nas seis regiões metropolitanas avaliadas.

Já a população desocupada chegou a 1,296 milhão de pessoas, queda de 6,0 por cento ante julho, e alta de 0,6 por cento sobre um ano antes. Os desocupados incluem tanto os empregados temporários dispensados quanto desempregados em busca de uma chance no mercado de trabalho.

A população ocupada aumentou em 90 mil pessoas entre julho e agosto, enquanto a desocupação teve queda de 83 mil pessoas. "O contingente de desocupados foi absorvido pela ocupação e pelas pessoas que vieram da inatividade", disse Azeredo, lembrando que o total de inativos caiu 0,1 por cento em agosto, uma queda de 11 mil pessoas.

A taxa de desemprego de 5,3 por cento é também a melhor para os meses de agosto desde o início da série histórica em 2002, junto com 2012. Em julho, ela estava em 5,6 por cento.

Em dezembro do ano passado, o desemprego havia atingido a mínima histórica de 4,6 por cento, num momento sazonalmente favorável pelas festas de fim de ano.

O número divulgado nesta quinta-feira ficou abaixo da expectativa mais otimista em pesquisa da Reuters, cuja mediana de 24 projeções apontou que a taxa se manteria em 5,6 por cento.   Continuação...