Bancos serão maior setor do novo Ibovespa; siderurgia perde peso

quinta-feira, 26 de setembro de 2013 15:13 BRT
 

Por Natalia Gómez e Priscila Jordão

SÃO PAULO, 25 Set (Reuters) - A nova estrutura do Ibovespa, que começa a valer no ano que vem, vai mudar a composição setorial do índice, com bancos tomando a primeira posição do setor de petróleo, enquanto os setores siderúrgico e de construção perderão peso.

A partir de maio, quando começa a valer plenamente a nova estrutura do principal índice acionário brasileiro, o setor de bancos deve passar da posição atual de 15 por cento para 20 a 25 por cento da carteira, segundo simulações feitas pelo BB Investimentos e pela gestora Quantitas Asset Management.

Os dados consideram números atuais e devem mudar até maio, conforme o desempenho da cotação dos papéis de cada empresa.

"Por terem capitalização grande e liquidez boa, os bancos vão ganhar muito peso", afirmou Marcos Fritzen, sócio da Quantitas.

Juntos, os quatro maiores bancos listados em bolsa - Bradesco, Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Santander - têm valor de mercado conjunto de cerca 430 bilhões de reais, enquanto as blue chips Vale e Petrobras têm valor de mercado de 186 bilhões e 238 bilhões de reais, respectivamente.

O aumento da participação se deve principalmente à inclusão na estrutura do Ibovespa do valor de mercado do capital das empresas em circulação, diferente do modelo atual, que dá mais peso à liquidez dos papéis.

Pelo mesmo motivo, o setor de consumo ganhará maior destaque, ampliando o peso de 8 por cento para uma faixa de 10 a 13 por cento. No movimento oposto, o setor de construção passará a representar apenas cerca de 2,5 a 3 por cento do índice, ante fatia atual de 10 por cento, segundo as projeções.

As empresas de siderurgia devem passar de 7 para 3 por cento, enquanto o setor de petróleo e petroquímica ficará praticamente estável, entre 16 a 17 por cento.   Continuação...