Fusões e aquisições estão estabilizadas no ano, mesmo após Verizon

sexta-feira, 27 de setembro de 2013 13:23 BRT
 

Por Michael Erman e Soyoung Kim

(Reuters) - A atividade de fusões e aquisições ao redor do mundo apresentou um comportamento basicamente estável nos primeiros nove meses do ano, um nível decepcionante em um período que contou com a operação de 130 bilhões de dólares da Verizon Communications.

Com a incerteza contínua sobre recuperações econômicas em todo o mundo, o espectro de subida de taxas de juro, bem como investidores cada vez mais ativistas clamando por um retorno de capital aos acionistas, os principais bancos de investimento e assessores legais esperam uma recuperação significativa nessas operações em breve.

"Entre aumento das taxas e, às vezes, o quadro imprevisível sobre aprovação regulatória do negócio, e as questões contínuas do teto da dívida (dos EUA), estamos de volta na dança anual de incerteza", disse Paul Parker, diretor de finanças corporativas globais e fusões e aquisições no Barclays.

"O lado positivo é que o Fed deixou claro que não vai recuar no alívio a curto prazo. Portanto, as empresas provavelmente têm uma janela para aproveitar o ambiente de taxa que ainda é historicamente baixo", disse ele.

Algumas empresas têm se aproveitado de financiamento barato para fazer ofertas em dinheiro. A operação gigantesca da Verizon para comprar a participação do Vodafone Group no negócio de rede sem fio nos Estados Unidos, terceiro maior acordo corporativo da história, ilustra essa tendência.

Até 24 de setembro, o volume de negócios global subiu 0,8 por cento, para 1,67 trilhão de dólares no ano, acima dos 1,66 trilhão de um ano antes, de acordo com dados da Thomson Reuters. Excluindo o negócio Verizon/Vodafone, o volume de operações caiu 7 por cento, para 1,54 trilhão de dólares. (Gráfico: link.reuters.com/kyb46q)

O número total de negócios até agora este ano caiu 9,6 por cento, para 25.374.