Tokyo Electric quer reiniciar maior usina nuclear do mundo

sexta-feira, 27 de setembro de 2013 16:26 BRT
 

TÓQUIO, 27 Set (Reuters) - A Tokyo Electric entrou nesta sexta-feira com pedido para reiniciar as operações em uma usa nuclear no noroeste do Japão, um passo inicial em seu plano de recuperação do desastre nuclear de Fukushima.

Após receber a aprovação do antes relutante prefeito de Niigata, onde a usina Kashiwazaki Kariwa está localizada, a Tokyo Electric (Tepco) entrou com um pedido na sexta-feira junto à Autoridade de Regulação Nuclear do Japão para obter permissão para reiniciar dois dos sete reatores da usina.

Mas a aprovação final para retomar a geração de eletricidade na usina Kashiwazaki Kariwa, a maior usina nuclear do mundo, a cerca de 300 quilômetros ao noroeste de Tóquio, é incerta e qualquer decisão pode demorar meses na melhor das hipóteses.

Todos os 50 reatores do Japão foram desligados após o terremoto e o tsunami de 2011 danificaram a usina de Fukushima, começando uma crise nuclear e um pico de oposição a energia nuclear na opinião pública. Duas usinas foram reativadas no ano passado, mas desligamentos recentes deixaram o Japão sem energia nuclear pela terceira vez desde 1970.

As ações da Tepco chegaram a disparar mais de 11 por cento nesta sexta, fechando em alta de 6,6 por cento a 597 ienes, o valor de encerramento mais alto em mais de 5 meses, impulsionado pela expectativa de que a empresa poderia eventualmente reiniciar a usina.

O governo japonês, no entanto, continua pressionando a Tepco a aprimorar a segurança.

"Nada é mais importante do que a segurança e conseguir o entendimento dos moradores locais," disse o ministro de Comércio e Indústria Toshimitsu Motegi ao presidente-executivo da Tepco, Naomi Hirose, na sexta-feira. "Quero que você continue fazendo esforços para melhorar a segurança."

A Tepco já declarou mais de 27 bilhões de dólares em prejuízos líquidos desde o desastre de Fukushima. A companhia também teve de admitir que água contaminada tem vazado para o Oceano Pacífico praticamente desde o desastre.

( Por Kentaro Hamada, Mari Saito, James Topham, Osamu Tsukimori e William Mallard)