Superávit primário do governo central despenca em agosto e setembro também será ruim

sexta-feira, 27 de setembro de 2013 20:44 BRT
 

BRASÍLIA, 27 Set (Reuters) - O governo central registrou no mês passado o menor superávit primário para meses de agosto da série histórica e o resultado ruim deverá se repetir em setembro, por conta dos gastos maiores da Previdência, informou o Tesouro Nacional nesta sexta-feira, gerando ainda mais dúvidas sobre o cumprimento da meta fiscal do ano.

O fraco desempenho fiscal do governo tem criado apreensão no mercado, que teme um descontrole das contas públicas.

No mês passado, o governo central --formado pelo Tesouro, Banco Central e Previdência Social-- teve superávit primário de 87 milhões de reais, ante 1,6 bilhão de reais apurado em igual mês de 2012 e saldo positivo de 3,8 bilhões de reais em julho.

O Tesouro teve superávit de 5,8 bilhões de reais, com redução de 21,5 por cento nas despesas, enquanto a Previdência teve déficit de 5,7 bilhões de reais, por conta do pagamento da primeira parcela do 13º salário de aposentados e pensionistas.

O resultado fiscal somente não foi deficitário porque o Tesouro antecipou o pagamento de 4,8 bilhões de reais de dividendos de bancos públicos.

"Não é resultado ótimo e exige que a gente se esforce para que o primário no ano seja atingido", disse o secretário do Tesouro, Arno Augustin.

Nos oito primeiros meses de 2013, a economia feita para o pagamento de juros da dívida pública acumula saldo positivo de 38,474 bilhões de reais, 28,2 por cento ou 15,1 bilhões de reais menor do que o superávit registrado em igual período de 2012.

"Evidentemente é um resultado que requer atenção e estamos dando a atenção necessária para cumprir o programado."

Questionado por jornalistas se esse desempenho pode levar o governo a reduzir novamente a meta de primário, Arno disse que "que não há nenhuma mudança na política" e que o cumprimento do alvo integral será analisado no Relatório de Receitas e Despesas de novembro.   Continuação...