Obama pede que Congresso aja para evitar paralisação do governo

sexta-feira, 27 de setembro de 2013 20:44 BRT
 

Por Rachelle Younglai e Thomas Ferraro

WASHINGTON, 27 Set (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez nesta sexta-feira um duro alerta contra o risco de que órgãos federais parem de funcionar a partir da próxima terça-feira, caso o Congresso não aprove um projeto emergencial para os gastos públicos.

A bancada republicana na Câmara dos Deputados quer aproveitar o projeto orçamentário para retirar verbas do programa de saúde pública conhecido como Obamacare.

O Senado, onde o governo democrata tem maioria, já aprovou nesta sexta-feira um projeto que garante as verbas necessárias para manter o governo funcionando. Esse projeto não retira verbas da saúde.

"Nos próximos três dias, os republicanos da Câmara terão de decidir se se juntam ao Senado e mantêm o governo aberto, ou se o fecham porque não conseguem se impor em uma questão que não tem nada a ver com o déficit", disse Obama em declaração a jornalistas na Casa Branca.

A Câmara pode votar o seu projeto numa rara sessão de fim de semana. Mas tudo indica que os republicanos vão preparar um novo projeto, o que obrigaria sua volta ao Senado, tornando mais provável o fechamento do governo.

Isso poderia afetar atividades como merendas escolares para crianças pobres, o pagamento de soldos para militares e operações em embaixadas estrangeiras.

Antes de o Senado aprovar seu projeto para manter as luzes ligadas nos prédios públicos, o líder da maioria democrata, Harry Reid, disse que a medida passaria "uma mensagem aos republicanos radicais" de que eles poderiam contribuir simplesmente prorrogando as verbas federais em seu nível atual.

Provocando o presidente da Câmara, o republicano John Boehner, Reid disse a jornalistas que o projeto do Senado seria amplamente aprovado na Câmara "se o presidente da Casa tiver a coragem" de submetê-lo a votação.   Continuação...