China abre zona de livre comércio em Xangai e dá detalhes sobre reformas

segunda-feira, 30 de setembro de 2013 08:03 BRT
 

XANGAI, 29 Set (Reuters) - A China abriu em Xangai neste domingo uma nova zona de livre comércio, no que está sendo considerada a iniciativa reformista potencialmente mais ousada em décadas.

O país também deu detalhes sobre planos para liberalizar regulações sobre as finanças do governo, investimentos e comércio na nova área.

A zona de livre comércio, que cobre uma área de cerca de 29 quilômetros quadrados ao leste de Xangai, foi aprovada pelo Conselho de Estado da China em julho.

O ministro de Comércio, Gao Hucheng, disse, segundo a agência de notícias estatal Xinhua, que a criação da zona de livre comércio foi uma decisão crucial para a próxima onda de abertura e reforma da China.

"A decisão segue a tendência de desenvolvimentos econômicos globais e reflete uma estratégia mais ativa de abertura", afirmou Gao na cerimônia de lançamento.

Na sexta-feira, o Conselho de Estado havia dito que abriria o protegido setor de serviços à competição internacional na zona de livre comércio e usaria a iniciativa como teste para reformas financeiras mais arrojadas, inclusive sobre a conversão do iuane e sobre a liberalização das taxas juros.

Algumas empresas chinesas e estrangeiras já se movimentam para se instalar na área de livre comércio. Um total de 25 empresas de diversos setores já obtiveram autorizações para montar suas operações.

Elas têm a companhia de onze instituições financeiras, a maioria delas bancos domésticos, mas o grupo inclui subsidiárias do Citibank e do DBS.

Ralph Haupter, vice-presidente corporativo da Microsoft, presente na cerimônia de lançamento, disse que a sua empresa está animada com o potencial da área de comércio.

"Detalhes e tamanhos de negócios são difíceis de prever neste estágio. Mas os negócios continuam crescendo e o segmento de entretenimento é muito importante para nós da Microsoft", declarou.

(Por Gabriel Wildau, Jiang Xihao e David Lin)