30 de Setembro de 2013 / às 18:40 / em 4 anos

Ritmo de plantio de soja em MT segue normalidade histórica, diz Famato

SÃO PAULO, 30 Set (Reuters) - O plantio de soja em Mato Grosso, o principal Estado produtor do Brasil, que deverá semear uma área recorde na temporada 2013/14, atingiu 0,8 por cento do projetado até o final da semana passada, um ritmo normal para esta época ainda pouco chuvosa.

Os trabalhos estão ligeiramente mais lentos na comparação com a temporada passada, quando em 27 de setembro os produtores tinham semeado 1,7 por cento da área projetada, avaliou nesta segunda-feira a Famato, a federação dos produtores.

Produtores precisam de umidade para desenvolver os trabalhos com segurança. Segundo o diretor administrativo e financeiro da Famato e da Aprosoja, Nelson Luiz Piccoli, a grande maioria da soja foi semeada até o momento em áreas irrigadas, em função das chuvas ainda insuficientes no Estado.

“Nos últimos dois anos para cá, houve uma antecipação das chuvas. Neste ano, aparentemente, parece que está um pouco atrasado, mas na verdade está dentro da normalidade (histórica). Nos últimos anos é que foi favorável ao início do plantio cedo”, afirmou Piccoli, em entrevista por telefone.

Ele lembrou que os institutos recomendam cautela aos produtores neste ano, uma vez que as chuvas só devem se intensificar ao longo do mês de outubro.

Em um período de 5 a 10 dias, “as chuvas retornam de forma mais geral no Centro-Oeste, mas ainda com baixos volumes acumulados em Mato Grosso”, disse a Somar Meteorologia em relatório nesta segunda-feira.

Nos próximos dias, não há previsão de que chova mais de 4 milímetros por dia, segundo a Somar.

“A previsão é de regularizar as chuvas a partir do dia 10. Regularizando, todos estarão plantando. Mas daqui até o dia 10, onde tiver chuvas acima de 30 mm, o produtor estará pronto e apto para plantar”, afirmou o representante dos produtores.

A safra de soja 2013/14 de Mato Grosso está estimada em recorde de 25,3 milhões de toneladas, aumento de 7,1 por cento na comparação anual, de acordo com previsão do setor produtivo do Estado.

A projeção é de um crescimento na área plantada de cerca de 5 por cento ante 12/13 --para 8,3 milhões de hectares--, com expectativa de produtividade maiores em relação à temporada passada.

Considerando estimativa da safra brasileira divulgada nesta segunda-feira pela associação da indústria (Abiove), de 86 milhões de toneladas, o Mato Grosso produziria quase 30 por cento do total do país.

O quanto antes os produtores de Mato Grosso conseguirem plantar a safra de soja, antes eles conseguem realizar a colheita para o plantio subsequente de milho.

É importante plantar o milho o mais cedo possível para que as lavouras se desenvolvam nos períodos em que as chuvas são mais constantes. Quanto mais tarde o plantio, maior o risco de o desenvolvimento do cereal avançar para o período mais seco no Estado, ameaçando a produtividade.

PERSPECTIVAS DE MERCADO

No caso da soja, o representante da Famato afirmou que os produtores estão semeando com segurança de que os preços vão se manter em bons patamares, considerando os estoques relativamente baixos no Brasil e nos EUA, mesmo com uma recuperação das safras dos dois maiores produtores globais. O câmbio também colabora para a rentabilidade dos agricultores, acrescentou.

Para o milho, as perspectivas não são tão animadoras. “É um grande ponto de interrogação. Os produtores têm em mente um desejo grande de plantar a mesma área e até aumentar... mas o problema é como será o preço, ainda teremos grande volume da safra anterior em janeiro e fevereiro.”

Por Roberto Samora

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below