Dólar cai 1,55% e fica abaixo de R$2,20, com EUA e Tombini

quinta-feira, 3 de outubro de 2013 07:26 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO, 2 Out (Reuters) - O dólar caiu mais de 1 por cento nesta quarta-feira, ficando abaixo de 2,20 reais e atingindo a menor cotação em pouco mais de três meses, com dados fracos sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos, somados ao segundo dia de paralisação do governo norte-americano, alimentando apostas de que o banco central do país manterá seu programa de estímulos por mais tempo.

A divisa norte-americana acelerou ainda mais as perdas na reta final do pregão após o presidente do BC brasileiro, Alexandre Tombini, sugerir que o ciclo de aperto monetário poderia ser mais longo do que o esperado, o que atrairia mais dólares para o país, em entrevista à Bloomberg.

O dólar perdeu 1,55 por cento, a 2,1940 reais na venda, menor nível para a divisa desde 26 de junho passado, quando fechou em 2,1894 reais.

Analistas vêm citando o nível de 2,20 reais como um possível piso informal para a divisa norte-americana.

"Esse movimento do dólar acompanhou a tendência das moedas emergentes. Estamos nesse drama do apagão do governo dos EUA e houve também os dados sobre o mercado de trabalho, então o mercado está com um pouco de ansiedade", disse o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito.

Apostas de que o Fed adiará a redução de seu programa de recompra de bônus, responsável por parte considerável dos dólares que inundam os mercados emergentes, crescem à medida que republicanos e democratas não chegam a um acordo sobre o orçamento dos Estados Unidos, necessário ao funcionamento do governo.

A paralisação parcial de diversos órgãos federais nos Estados Unidos deixava centenas de milhares de funcionários públicos sem trabalho. Além disso, investidores ficavam cada vez mais temerosos de que republicanos e democratas não chegarão a um acordo para elevar o teto da dívida norte-americana, levando o país a um default.

O governo norte-americano esgotará sua capacidade de empréstimo até no máximo o dia 17 de outubro, data em que o Tesouro terá apenas cerca de 30 bilhões de dólares na mão, segundo o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Jack Lew.   Continuação...