Administração Obama diz que é impossível priorizar pagamentos da dívida dos EUA

quinta-feira, 3 de outubro de 2013 15:39 BRT
 

WASHINGTON, 3 Out (Reuters) - A administração Obama informou nesta quinta-feira que será impossível priorizar os pagamentos de dívida em detrimento de outras obrigações caso o Congresso fracasse em elevar o teto da dívida do país, de 16,7 trilhões de dólares, e o Tesouro fique sem dinheiro.

Uma autoridade sênior do Tesouro disse a jornalistas que favorecer as contas para credores em relação aos outros seria inadministrável e que a administração se opõe completamente à essa abordagem, que alguns republicanos no Capitólio têm sugerido.

Separadamente, em relatório detalhando o potencial impacto econômico de um default, o Tesouro alertou que não pagar as contas do país pode punir as famílias e empresas norte-americanas com uma recessão pior do que a crise de 2007 a 2009.

O relatório afirma que um default pode empurrar para cima os custos de empréstimo, enfraquecer o investimento e frear o crescimento, causando um prejuízo à economia que pode durar mais do que uma geração.

"Um default seria sem precedentes e tem o potencial de ser catastrófico: os mercados de crédito poderiam congelar, o dólar poderia despencar, as taxas de juros dos EUA poderiam disparar", disse o Departamento do Tesouro.

"Os contágios negativos podem reverberar mundo afora, e pode haver uma crise financeira e uma recessão que poderia ecoar os eventos de 2008 ou pior", acrescentou.

(Reportagem de Jason Lange e Alister Bull)

 
Uma barricada isola um acesso lateral ao Capitólio, sede do Congresso dos EUA, em Washington. A administração Obama informou nesta quinta-feira que será impossível priorizar os pagamentos de dívida em detrimento de outras obrigações caso o Congresso fracasse em elevar o teto da dívida do país, de 16,7 trilhões de dólares, e o Tesouro fique sem dinheiro. 1/10/2013. REUTERS/Jonathan Ernst