3 de Outubro de 2013 / às 20:13 / 4 anos atrás

Dólar sobe 0,41% ante o real após rebaixamento de perspectiva brasileira

Por Bruno Federowski e Tiago Pariz

SÃO PAULO, 3 Out (Reuters) - O dólar fechou em alta ante o real nesta quinta-feira, com parte dos investidores estrangeiros deixando o mercado brasileiro após a agência de classificação de risco Moody's rebaixar, na véspera, a perspectiva do rating do Brasil.

A moeda norte-americana avançou 0,41 por cento, para 2,2029 reais na venda, depois de despencar mais de 1,5 por cento na véspera e ir abaixo de 2,20 reais. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,05 bilhão de dólares.

A Moody's colocou a classificação de risco do Brasil em perspectiva "estável", ante "positiva", citando a deterioração da relação entre a dívida bruta e o Produto Interno Bruto (PIB), o nível dos investimentos e o fraco crescimento. Apesar disso, a agência reafirmou o crédito a "Baa2", considerado grau de investimento.

"Embora todos esperassem a decisão da Moody's, quando ela ocorre isso traz pressão adicional e só reforça o cenário que as coisas estão complicadas para a nossa economia", afirmou o gerente de tesouraria do banco Daycoval, Gustavo Godoy, lembrando que a decisão pode levar alguns fundos globais de investimento a reduzir as posições em ativos brasileiros.

O operador de um banco estrangeiro afirmou que recebeu orientações de alguns fundos para diminuir a exposição em alguns ativos brasileiros, sem citar quais. "A redução da exposição não é grande, mas tem efeito no câmbio porque se trata de fluxo", disse o operador.

Ele disse que o efeito só não foi mais forte no mercado por conta do ambiente de intervenção diária do Banco Central. Nesta quinta-feira, o BC já vendeu 10 mil contratos de swap cambial tradicional com vencimento em 3 de fevereiro de 2014.

O BC anunciou ainda para sexta-feira leilão de venda de dólares com compromisso de recompra. A oferta será de até 1 bilhão de dólares, distribuídos entre duas etapas: entre as 11h15 e 11h20, os contratos terão data de recompra em 3 de dezembro de 2013; entre 11h30 e 11h35, a data de recompra será de 2 de julho de 2014.

O movimento de alta do dólar ante o real nesta sessão também era visto como uma correção do movimento visto no dia anterior, quando a divisa norte-americana despencou, ficando abaixo de 2,20 reais, na menor cotação em pouco mais de três meses.

"O dólar testou esse patamar de 2,20 reais na última sessão, mas a tendência é que continue por aí, mesmo", disse o superintendente de câmbio da Intercam, Jaime Ferreira.

O economista-chefe do Banco Safra, Carlos Kawall, afirmou no chat Trading Brazil da Thomson Reuters que o mercado de câmbio deve ser guiado no curto prazo pelos desdobramentos no mercado externo.

"No curto prazo, há um viés de queda do dólar, mas esperamos 2,25 reais ao final de 2013 e 2,45 reais ao final de 2014, porque os juros nos EUA continuaram a subir com a força da economia e porque aqui nossos fundamentos externos exigem um cambio mais depreciado", disse Kawall, que foi secretário do Tesouro no governo do presidente Luis Inácio Lula da Silva.

A paralisação do governo norte-americano e alguns dados mais fracos da maior economia do mundo alimentam apostas de que o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, pode manter seu programa de estímulo por mais tempo, deixando a liquidez nos mercados internacionais elevada.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below