Sem progresso para tirar governo de paralisação, ações dos EUA recuam

segunda-feira, 7 de outubro de 2013 20:46 BRT
 

Por Ryan Vlastelica

NOVA YORK, 7 Out (Reuters) - As ações dos Estados Unidos fecharam em queda nesta segunda-feira, estendendo perdas das últimas duas semanas, com a falta de progresso nos debates para encerrar a paralisação parcial do governo norte-americano e o impasse do teto da dívida mantendo investidores nervosos.

O índice Dow Jones recuou 0,90 por cento, para 14.936 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 0,85 por cento, para 1.676 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,98 por cento, para 3.770 pontos.

O S&P 500 fechou perto das mínimas do dia ao fim de uma sessão volátil, após ter recuado em 10 dos últimos 13 pregões. O índice de volatilidade CBOE, um termômetro da ansiedade dos investidores, saltou 16 por cento para o maior nível desde junho. O VIX registrou alta nas três últimas semanas, acumulando variação positiva de 48 por cento nesse período.

Boa parte do governo está paralisado desde o início do mês, provocando a dispensa não remunerada de até um milhão de funcionários públicos. Investidores também aguardam o iminente debate sobre o limite de endividamento do país, que pode abrir caminho para um default caso não seja resolvido.

Em declarações durante o fim de semana, nem republicanos nem democratas ofereceram sinais de progresso e ambos culparam o outro lado pelo impasse. O prazo para elevar o teto da dívida é 17 de outubro.

"O mercado está vulnerável a novos declínios enquanto essa situação continuar incerta. A cada dia que passa, fica mais inquieto", disse o vice-presidente de investimentos do BNY Mellon Wealth Management, Leo Grohowski.

Grohowski, que ajuda a gerir 175 bilhões de dólares em ativos de clientes, estima que cada semana de paralisação pode custar 10 a 15 pontos básicos do Produto Interno Bruto (PIB).

"Embora isso não seja muito, a recuperação ainda é frágil demais para aguentar qualquer impacto de longo prazo. Ela vai começar a impactar as estimativas de resultados, o que vai se refletir sobre as ações", afirmou.

Nove dos 10 setores do S&P 500 fecharam no vermelho, com grupos ligados ao ritmo de crescimento econômico --incluindo os setores financeiro e de matérias-primas-- figurando entre os mais fracos do dia. O único setor que avançou foi o de telecomunicações, considerado defensivo.