Ações com maiores ganhos no ano lideram queda de Wall St com temor sobre default

terça-feira, 8 de outubro de 2013 20:55 BRT
 

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK, 8 Out (Reuters) - As ações dos Estados Unidos fecharam em queda nesta terça-feira, com operadores realizando lucro com alguns dos papéis que registraram melhor desempenho neste ano em meio ao parco progresso para resolver a crise política em Washington.

O índice Dow Jones recuou 1,07 por cento, para 14.776 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 1,23 por cento, para 1.655 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 2 por cento, para 3.694 pontos.

Um termômetro da ansiedade de Wall Street atingiu o maior nível em mais de três meses, com as bolsas de valores mostrando crescentes preocupações sobre a paralisação parcial do governo dos EUA a apenas nove dias até o prazo para a elevação do teto da dívida norte-americana.

O papel do Facebook figurou entre os maiores pesos sobre o Nasdaq 100, recuando 6,7 por cento em seu pior dia em mais de um ano. O papel do LinkedIn perdeu 6,1 por cento, enquanto a ação do Netflix caiu 5 por cento. O papel do Netflix teve o melhor desempenho neste ano entre as ações do S&P 500 e o Facebook está entre as melhores performances no Nasdaq 100.

"Com a incerteza em torno de Washington dominando as negociações, hoje foi o dia em que os nomes de fôlego finalmente sofreram um baque", disse o estrategista técnico sênior do Schaeffer's Investment Research, Ryan Detrick.

"É possível que finalmente vejamos um movimento em direção às blue chips? Se o drama em Washington continuar, isso pode acontecer".

O presidente Barack Obama elevou a pressão política sobre republicanos nesta terça-feira, afirmando que estaria disposto a negociar questões orçamentárias apenas após eles aceitarem reativar o governo federal e elevar o teto da dívida sem condições.

A possibilidade de que o governo pode entrar em default elevou temores de possível catástrofe econômica global, com credores internacionais e o economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Olivier Blanchard, alertando sobre as possíveis consequências.

"Acho que o que pode ser dito é que se houver um problema para elevar o teto da dívida, pode ser que o que é agora uma recuperação vire uma recessão ou até pior", disse Blanchard, acrescentando, entretanto, que esse evento não parece provável.