Parlamentares dos EUA veem sinal de esperança para fim do impasse fiscal

quarta-feira, 9 de outubro de 2013 20:57 BRT
 

Por David Lawder e Susan Heavey

WASHINGTON, 9 Out (Reuters) - Republicanos e democratas no Congresso dos EUA viram sinais de esperança nesta quarta-feira por uma solução para o impasse fiscal, enquanto membros de ambos os partidos cogitaram a possibilidade de um aumento de curto prazo no teto da dívida, o que daria tempo para negociações mais amplas sobre o Orçamento.

A leve mudança de tom teve a ajuda de um artigo do presidente do Comitê de Orçamento da Câmara dos Deputados, Paul Ryan, de Wisconsin, que pediu uma solução negociada para o impasse, mas não mencionou as exigências dos republicanos de relacionar o custeio do governo com mudanças na lei federal da saúde.

"Agora, nós precisamos encontrar um ponto em comum", escreveu Ryan, candidato a vice-presidente pelo partido em 2012 e que vinha permanecendo de modo geral em silêncio no confronto, em artigo publicado no Wall Street Journal.

"Nós precisamos abrir o governo federal. Nós precisamos pagar nossas contas hoje -- e nos certificar de que possamos pagar nossas contas amanhã. Portanto, vamos negociar um acordo para fazer reformas modestas nos programas sociais e no código tributário", disse.

O presidente dos EUA, Barack Obama, repreendeu os republicanos na terça-feira por ameaçarem levar o caos à economia, mas disse que conversaria sobre qualquer coisa, incluindo a lei de saúde, se os republicanos pusessem fim à paralisação no governo e elevassem o teto de endividamento para um curto prazo.

O presidente da Câmara dos Deputados, John Boehner, rejeitou essa ideia como "rendição incondicional", mas outros republicanos mostraram interesse em considerar um acordo de curto prazo, se houver uma plataforma para negociações.

"Estou começando, a propósito, a ser um pouco esperançoso em relação à nossa situação atual. Parece que a Câmara está começando a focar nas coisas certas", disse o senador republicano Bob Corker, do Tennessee, à CNBC, referindo-se ao artigo de Ryan.

"Estamos aqui começando a falar sobre o tipo de coisa certa. Estamos começando agora a seguir na direção certa", disse Corker, mas advertiu: "Em algum momento, por volta do 13º dia deste mês, as coisas vão ficar muito voláteis se nós não estivermos próximos de um acordo."   Continuação...