BC eleva Selic para 9,5% e indica que deve manter ritmo de aperto

quarta-feira, 9 de outubro de 2013 20:57 BRT
 

BRASÍLIA, 9 Out (Reuters) - O Banco Central elevou a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual nesta quarta-feira, a 9,5 por cento ao ano, num movimento amplamente esperado e indicando que deve manter o ritmo de aperto monetário para combater a inflação ainda pressionada.

Em decisão unânime, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC repetiu pela quarta vez o comunicado que justificou sua escolha de aumentar também pela quarta vez seguida a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual.

"O Comitê avalia que essa decisão contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano", informou o Copom em comunicado divulgado nesta quarta-feira.

Pesquisa da Reuters mostrou na semana passada que 65 de 63 analistas previam alta de 0,50 ponto percentual da Selic agora.

"O BC não está dando nenhum indício de que vai parar com o aperto monetário, e eu achava que ele podia sinalizar no comunicado que poderia parar em breve" afirmou o diretor de Gestão de Recursos da corretora Ativa, Arnaldo Curvello.

"Provavelmente, na próxima reunião teremos uma elevação de 0,50 ponto percentual, mas a dúvida de o que vem depois vai ficar no mercado", disse Curvello, acrescentando que a Selic deverá chegar a 10,25 por cento.

Cresce cada vez mais entre os agentes econômicos a expectativa de que a Selic possa voltar ao patamar de dois dígitos, algo que não se vê desde janeiro de 2012, por conta da inflação ainda elevada, e que este ciclo de aperto possa se estenda por mais tempo.

A pesquisa Focus do BC mostrou no início dessa semana que as Top 5, instituições que mais acertam as estimativas, veem a Selic subindo a 10,5 por cento ao ano até fevereiro de 2014, com uma elevação de 0,5 ponto em novembro, na última reunião do Copom neste ano, e outras duas altas de 0,25 ponto em janeiro e em fevereiro.

Mas, pelo menos por enquanto, a maior parte do mercado acredita que a Selic irá somente a 9,75 por cento e ficará neste patamar ao longo de 2014.   Continuação...