Nova proposta de mistura de etanol nos EUA é alerta para Brasil--analistas

sexta-feira, 11 de outubro de 2013 19:19 BRT
 

Por Fabíola Gomes

SÃO PAULO, 11 Out (Reuters) - A possibilidade da agência ambiental dos Estados Unidos reduzir a mistura obrigatória de combustíveis renováveis no país em 2014 acende luz amarela para a indústria de etanol do Brasil e reduz a perspectiva de exportação do biocombustível, avaliaram especialistas do setor.

"O documento indica uma luz amarela nas exportações de etanol do Brasil na safra 2014, que começa a se desenhar", disse o analista Intl FCStone, Renato Dias.

Um esboço da proposta da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) propõe corte de quase 6 por cento no volume de etanol a ser misturado à gasolina em 2014, sob a justificativa de uma oferta inadequada do biocombustível.

O uso total de combustíveis renováveis cairia para apenas 15,21 bilhões de galões, muito abaixo da meta de 18,15 bilhões de galões para 2014 estabelecidos na lei de 2007, mostraram os documentos.

Em resposta à divulgação do esboço pela Reuters e por outros veículos de imprensa, a administração da EPA veio a público nesta sexta-feira dizer que ainda não existe uma decisão final sobre o assunto.

Qualquer proposta de mudança na mistura ainda será avaliada na Casa Branca, passará pelo Congresso norte-americano e por debate público.

As determinações da EPA incluem volumes específicos para os chamados biocombustíveis avançados, menos poluentes, o que inclui biodiesel, etanol celulósico e de cana --do qual o Brasil é o maior produtor mundial.

Os EUA são grandes produtores de etanol de milho, mas uma quebra de safra no ano passado reduziu a disponibilidade do grão e abriu espaço para o Brasil reforçar os embarques.   Continuação...