Brasil ainda não foi notificado sobre operação Telefónica-Telecom Italia

segunda-feira, 14 de outubro de 2013 16:38 BRT
 

Por Leonardo Goy

14 Out (Reuters) - O governo ainda não foi oficialmente comunicado sobre a operação de aumento de participação da espanhola Telefónica na Telecom Italia, disse nesta segunda-feira o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

O grupo Telefónica, que controla a Telefônica Brasil, dona da Vivo, está aumentando sua participação na Telecom Italia, dona da TIM Participações.

Segundo o ministro, o governo vai aguardar esta notificação para analisar o impacto da operação no Brasil - que poderia, em tese, juntar a TIM Participações e a Vivo sob o mesmo controle.

"Estamos esperando o comunicado oficial. Temos as informações extraoficiais do assunto, mas até agora não temos nenhum comunicado oficial para o governo. A partir do momento que chegar essa notificação, vamos estudar quais são as alternativas", disse Bernardo a jornalistas, após participar de evento no Ministério das Comunicações.

O ministro disse ainda que o governo foi comunicado previamente sobre outra operação societária no setor, a fusão da Oi com a Portugal Telecom. "Fomos informados, e o governo não estabeleceu nenhum obstáculo, vamos aguardar como vai desdobrar", disse.

E-MAIL OFICIAL Bernardo disse que até o fim dessa semana deve ser assinado decreto tornando obrigatório, para toda a administração pública federal, o uso de email em rede fechada que está sendo aperfeiçoado pelo Serpro, órgão oficial de processamento de dados.

Segundo Bernardo, o email do Serpro já deve estar operacional a partir de novembro. Um cronograma será estabelecido para que os diferentes órgãos de governo troquem suas ferramentas de email pela do Serpro, que usará a rede da estatal Telebrás e será hospedado pelo próprio Serpro.

A medida foi determinada pela presidente Dilma Rousseff depois das denúncias de espionagem pelo governo dos Estados Unidos na comunicação interna do governo brasileiro.

No caso do Ministério das Comunicações, por exemplo, Bernardo disse que não será renovada a licença para o uso do Outlook, da Microsoft, para que possa ser substituído pelo email do Serpro, batizado de Expresso.