Dólar fecha estável, a R$2,178 na venda, após notícias sobre rolagem de swap

segunda-feira, 14 de outubro de 2013 20:33 BRT
 

Por Bruno Federowski e Marília Carrera

SÃO PAULO, 14 Out (Reuters) - Em dia de muito vaivém e marcado pelo baixíssimo volume, o dólar fechou estável ante o real nesta segunda-feira, após o Banco Central transmitir informações desencontradas sobre notícia de que poderia não rolar integralmente os contratos de swap cambial tradicional com vencimento novembro.

Mesmo assim, o dólar permaneceu durante todo o pregão abaixo do patamar de 2,20 reais, considerado por muitos analistas como o "limite técnico" da moeda norte-americana.

O dólar fechou a 2,1780 reais, ante 2,1779 reais no fechamento anterior. Na mínima do dia, atingiu 2,1659 reais e 2,1939 reais na máxima e, segundo dados da BM&F, o volume de negociação ficou bastante baixo, em torno de 230 milhões de dólares, devido ao feriado nos Estados Unidos e que deixou o mercado de bônus fechado.

"A grande questão é: o BC vai de fato diminuir a rolagem?", afirmou um o operador de um banco internacional.

Logo após a abertura dos negócios, foi publicada notícia pela Broadcast, citando uma fonte da equipe econômica, de que dependendo das condições do mercado, a rolagem dos contratos de swap cambial tradicional --equivalente à venda de dólares no mercado futuro-- no dia 1º de novembro, no montante de 8,87 bilhões de dólares, poderia não ser integral. Com isso, a liquidez injetada nos mercados poderia ser menor.

Procurada pela Reuters logo cedo, a assessoria de imprensa do BC chegou a informar que não comentaria o assunto.

"O BC poderia estar querendo sinalizar que não vai oferecer tanta liquidez ao mercado... que talvez o mercado já esteja suficientemente irrigado com dólar", chegou a afirmar o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito.

No início da tarde, no entanto, o Valor Econômico publicou que a assessoria de imprensa do BC informou que não comunicou "nem oficialmente, nem de outra forma" sobre rolagem dos swaps, fazendo com que o dólar anulasse as altas.   Continuação...