Copel quer melhorar gestão com reestruturação; mira São Manoel

segunda-feira, 14 de outubro de 2013 20:33 BRT
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO, 14 Out (Reuters) - A Copel, empresa de energia controlada pelo governo paranaense, pretende melhorar a gestão do grupo com a reestruturação da companhia, que inclui criação de subsidiárias e corte de custos, disse o presidente da empresa.

A Copel aprovou na semana passada a criação das subsidiárias Copel Renováveis e Copel Participações, voltadas para novos negócios, além de outras alterações no estatuto da companhia referentes à reestruturação.

A primeira vai concentrar os investimentos da empresa em energias renováveis e a Copel Participações vai gerir as participações em sociedades de propósito específico (SPEs).

"Nós tínhamos uma estruturação que sob o ponto de vista de gestão, de dinâmica da gestão, não era a mais adequada para os propósitos da empresa", disse o presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, em entrevista à Reuters.

Segundo ele, as alterações também visam a adequar a empresa a mudanças regulatórias, como as trazidas pela Medida Provisória 579 convertida em lei, de renovação das concessões do setor.

Com as subsidiárias, a Copel pretender obter maior isonomia na gestão das empresas, que serão mais voltadas a resultados, garantindo que elas agreguem valor à holding.

A geração eólica é vista como uma das fontes de energia elétrica mais interessantes no segmento de renováveis, segundo Zimmer. "A geração eólica é muito promissora, muito mais atraente hoje do que as hidráulicas grandes, que têm dificuldades muito acentuadas, principalmente com questões de meio ambiente", disse o executivo.

Ele acrescentou que a empresa ainda não tem um projeto firme de energia solar para entrar nos próximos leilões de energia, fonte que, segundo, ele ainda não é competitiva.   Continuação...