CENÁRIOS-Consumo retoma fôlego no 3o tri; investimentos e indústria patinam

quarta-feira, 16 de outubro de 2013 10:12 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO (Reuters) - A economia brasileira apresentou sinais erráticos no terceiro trimestre, com indicações do meio corporativo de perda de força dos investimentos e aceleração do consumo, numa provável inversão do que foi visto de abril a junho.

Setores ligados a investimentos de prazos mais longos, como indústria e construção civil, patinaram no trimestre encerrado em setembro, enquanto consumo e serviços devem ter sido destaques positivos no período.

O segmento manufatureiro, após um avanço surpreendente no segundo trimestre, teve menor vigor nos últimos meses, refletindo o ajuste à demanda abaixo das expectativas e ao ambiente de negócios visto como menos convidativo para investimentos. Tal cenário deve ser ilustrado pelos resultados de siderúrgicas e de empresas da cadeia automotiva e de máquinas e equipamentos.

A produção de veículos no país, por exemplo, caiu 2,5 por cento no terceiro trimestre em relação ao segundo, para quase 1 milhão de unidades, segundo a Anfavea, que representa as montadoras. O volume médio de aço bruto produzido em julho e agosto, dados mais recentes disponíveis, ficou em linha com o visto no trimestre até junho, de acordo com o Instituto Aço Brasil (IABr).

E as vendas de máquinas e equipamentos --um indicativo sobre o nível da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), uma medida do investimento-- ficaram praticamente estáveis em julho e agosto na comparação com o bimestre anterior.

"A indústria vai ser a grande contribuição negativa para o terceiro trimestre", disse a economista e sócia da Tendências Consultoria, Alessandra Ribeiro.

Depois de o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro crescer 1,5 por cento no segundo trimestre ante o primeiro, bastante acima do esperado, a aposta majoritária no mercado é de que fique estável ou tenha modesta retração no terceiro trimestre sobre o período anterior.

De abril a junho, o desempenho foi puxado pelos investimentos e por indústria e agropecuária. O consumo das famílias --que sustentou a atividade nos últimos anos-- deu sinais mais claros de fadiga.   Continuação...