Reino Unido cria precedente nuclear com acordo de US$26 bi com EDF

segunda-feira, 21 de outubro de 2013 13:37 BRST
 

PARIS/LONDRES, 21 Out (Reuters) - A Grã-Bretanha assinou um acordo com a francesa EDF para construir uma usina nuclear de 16 bilhões de libras (26 bilhões de dólares), se tornando o primeiro país europeu a fornecer garantias estatais para ajudar a financiar um projeto nuclear.

O projeto Hinkley Point C, no sudoeste da Inglaterra, a primeira nova usina nuclear desde a crise de Fukushima, tem como previsão começar a produzir energia a partir de 2023, e receberá um preço de exercício garantido de eletricidade de 92,50 libras (150 dólares) por megawatt-hora durante 35 anos, mais que o dobro do preço atual de mercado, disseram a EDF e o governo britânico nesta segunda-feira.

O acordo mostra que os construtores de usinas nucleares exigem apoio estatal para novos projetos na Europa, onde os custos para nova energia atômica deram um salto depois que reguladores impuseram regras de segurança mais rígidas após o desastre de Fukushima em 2011.

Um consórcio liderado pela EDF construirá dois reatores de 1.650 megawatts projetados pela Areva que produzirão cerca de 7 por cento da eletricidade da Grã-Bretanha, disse a EDF.

Os parceiros chineses da EDF, a China General Nuclear Corporation (CGN) e a China National Nuclear Corporation (CNNC), terão uma fatia combinada de 30 a 40 por cento do consórcio, enquanto que o grupo nuclear estatal francês Areva ficará com 10 por cento.

A EDF disse que o preço de exercício garantido poderia cair para 89,50 libras caso uma segunda usina nuclear seja construída em Sizewell, no leste da Inglaterra.

O governo disse que a construção de novas usinas nucleares reduzirá as contas de energia de moradias em mais de 75 libras por ano em 2030, em comparação com um cenário em que não são construídos novos reatores nucleares.

(Por Geert De Clercq)