Consórcio de Libra poderá produzir até o final da década

segunda-feira, 21 de outubro de 2013 21:12 BRST
 

RIO DE JANEIRO, 21 Out (Reuters) - As petroleiras que arremataram o bloco gigante de Libra têm pressa para explorar a primeira área leiloada no pré-sal sob o regime de partilha da produção, sinalizaram representantes de duas empresas do consórcio vencedor.

O diretor-geral da francesa Total no Brasil, Denis Palluat, avalia ser viável iniciar a produção até o final desta década, prazo inicialmente estimado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O consórcio realizará trabalhos exploratórios o mais rápido possível, acrescentou.

A Petrobras e as parceiras Shell, a Total e as estatais chinesas CNPC e CNOOC venceram nesta segunda-feira o leilão pelo direito de exploração da área de Libra --maior reserva de petróleo já descoberta no Brasil.

"Temos um 'dream team' neste consórcio, um grupo muito equilibrado, com Brasil, Europa e a China", afirmou o executivo francês.

O presidente da Shell, André Araújo, outra parceira no consórcio, também disse que as empresas querem perfurar poços em Libra rapidamente.

"Vocês sabem que é difícil fazer projeções", afirmou, evitando falar em prazos.

O início da produção no campo de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, deve acontecer a partir de 2018, de acordo com a ANP.

O pico de produção deve acontecer em até 15 anos, após a assinatura do contrato. A previsão é que atinja um pico de 1,4 milhão de barris, de acordo com cálculos da ANP.

"Espero que eles estejam certos. Antes era 1 milhão... é bom achar que é mais, mas temos um poço só perfurado", declarou o executivo da Total.

(Reportagem de Sabrina Lorenzi, Rodrigo Viga Gaier, Jeb Blount e Luciana Bruno)