Marfrig prevê retomada da geração de caixa consistente em 2015

segunda-feira, 21 de outubro de 2013 22:14 BRST
 

Por Fabíola Gomes

SÃO PAULO, 21 Out (Reuters) - A Marfrig tem a meta de atingir o equilíbrio entre receita e despesa em 2014, fechando no "breakeven", para depois seguir com a desalavancagem e geração de caixa consistente, agora que concluiu a venda da Seara para a JBS, disse nesta segunda-feira o futuro presidente da companhia, Sérgio Rial.

A empresa tem como meta um aumento de 12 por cento na receita em 2014, para 18,5 bilhões de reais, com expansão baseada no crescimento orgânico, descartando aquisições, e incremento das vendas para importantes mercados-chave, como os países asiáticos.

"A intenção aqui é ter um crescimento orgânico mais sustentável --antes a gestão era consumidora de caixa--, para chegar a uma posição 'neutral final' em 2014, tendo pago Capex (investimentos) e juros, e ficar com endividamento abaixo de quatro vezes", disse Rial, durante evento com analistas em São Paulo.

A partir daí, a meta da companhia é reforçar um processo de desalavancagem iniciado com a venda dos ativos, para reduzir a relação dívida líquida/Ebtida para menos de três vezes. E chegar a 2,5 vezes em 2018.

O fluxo de caixa livre para acionista é estimado entre negativo a neutro em 2014, mas a meta é chegar à faixa entre 650 milhões e 850 milhões de reais em 2018, ano usado como referência em um plano de plurianual.

"Apresentamos o guidance pela primeira vez. Este é o norte, que apontamos ao mercado... 2015 já tem que ser um ano que se gere caixa suficiente para começar a reduzir o endividamento", disse o executivo ao divulgar estimativas de desempenho.

A empresa de alimentos Marfrig deverá investir 600 milhões de reais em 2014, mas o executivo evitou dar comparativo com o ano anterior, quando ainda contava com a Seara entre seus ativos.

Endividada após um intenso período de aquisições, a companhia vendeu sua divisão de aves, suínos e processados para a JBS, em uma operação que envolveu a transferência de 5,85 bilhões de reais em dívidas, como forma de aliviar o alto nível de alavancagem da companhia.   Continuação...