Fitch mantém rating da JBS e revisa perspectiva para estável

terça-feira, 22 de outubro de 2013 20:00 BRST
 

SÃO PAULO, 22 Out (Reuters) - A agência de classificação de risco Fitch manteve nesta terça-feira o rating da dívida da JBS em moeda estrangeira e local em "BB-", revisando a perspectiva para estável por conta de uma melhora na alavancagem da companhia.

A Fitch havia colocado os ratings da JBS em Observação Negativa após a aquisição da Seara Brasil, feita por meio da assunção de dívidas de quase 6 bilhões de reais, em junho de 2013.

"Os ratings contemplam a expectativa de que a alavancagem líquida da JBS registrará melhora e atingirá o índice de 3,0 vezes ou menos, até o final de 2014", disse a Fitch.

Segundo a agência, a JBS tem alavancagem elevada, mas está em processo de redução de sua dívida.

A JBS é a maior empresa de proteína animal do mundo e tornou-se segunda em carnes processados no Brasil após a aquisição.

"A Fitch espera que o índice dívida líquida/EBITDA da JBS se reduza para cerca de 3,0 vezes ou menos até o final de 2014, em virtude da forte geração de fluxo de caixa livre (FCF) da companhia."

Após a compra da Seara Brasil, concluída no final de setembro, o índice dívida líquida/EBITDA da JBS ficou em torno de 4,0 vezes, citou a Fitch.

"No entanto, tendo em vista a natureza de negócios da companhia, voltada a aquisições, as atuais categorias de rating contemplam a expectativa de que operações financiadas por dívida poderão levar este índice a se aproximar de 3,5 vezes", acrescentou a agência.

A Fitch disse, no entanto, não prever qualquer aquisição importante nos próximos 18 meses, uma vez que a administração da JBS precisará manter o foco na integração da Seara. "Entretanto, a agência acredita que transações extraordinárias poderão ocorrer no futuro, pois a companhia pretende reforçar sua capacidade de distribuição nos mercados de exportação."

No segundo trimestre de 2013, a empresa reportou forte melhora no desempenho de seus negócios de carne bovina e de frango nos Estados Unidos, com fluxo de caixa livre positivo antes dos dividendos de 563 milhões de reais, disse a Fitch.

(Por Roberto Samora)