24 de Outubro de 2013 / às 12:26 / em 4 anos

Votorantim seguirá comprando níquel de Mirabela até fim de contrato

SÃO PAULO, 24 Out (Reuters) - A Votorantim continuará comprando níquel da mineradora Mirabela, recuando de anúncio feito no final de setembro quando afirmou que interromperia em novembro contrato firmado em 2008 e que iria até o fim de 2014.

Apesar de seguir comprando o material, a decisão de fechar a partir do próximo mês a unidade de Fortaleza de Minas (MG), que produz mate de níquel para exportação, está mantida, informou o grupo brasileiro.

“Se a Mirabela tiver níquel para ser vendido, a Votorantim vai cumprir o contrato e avaliar o que fazer com o material comprado”, informou a Votorantim, sem especificar qual o destino que será dado ao níquel comprado da mineradora.

Representantes da Mirabela não puderam ser contatados de imediato para comentar o assunto.

O anúncio de suspensão do contrato em 26 de setembro pressionou as ações da mineradora australiana e causou uma série de reduções nas recomendações de agências de classificação de risco sobre a dívida da empresa.

Em julho de 2008, a Votorantim Metais fechou acordo com a Mirabela Mineração do Brasil para a compra de 50 por cento da produção da mineradora no país até 2014.

A Mirabela informou na quarta-feira que não fez um pagamento de juros em 15 de outubro sobre dívida de cerca de 395 milhões de dólares. Também na quarta-feira, a mineradora divulgou que após conversas com a Votorantim o grupo brasileiro reviu sua decisão para continuar cumprindo o contrato até o final de 2014.

A Mirabela tem uma linha de crédito de 50 milhões de dólares com o Bradesco que é garantida pelo acordo de venda de níquel à Votorantim, informou a mineradora.

O acordo com a Votorantim envolveu concentrado de níquel produzido na mina Santa Rita, em Itagibá (BA). Segundo a Mirabela, a mina foi a maior descoberta de níquel sulfetado do mundo, depois de descoberta no Canadá em 1993 por empresa da Vale.

Na época do acordo, a Votorantim afirmou que o acerto permitiria à empresa ampliar a produção na unidade Fortaleza de Minas de 6 mil para 18 mil toneladas anuais.

Mas um aumento na produção chinesa pressionou os preços do níquel no mundo o que causou desequilíbrio econômico-financeiro da operação, segundo a Votorantim.

Depois de atingir pico de 48.700 dólares por tonelada no início de 2007, o preço do níquel caiu para 13.775 dólares na primeira metade deste ano.

Por Alberto Alerigi Jr.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below