ESPECIAL-Atrasos e desentendimentos atrapalham tentativas de salvar a OGX

segunda-feira, 28 de outubro de 2013 17:08 BRST
 

Por Guillermo Parra-Bernal e Jeb Blount e Nick Brown

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO/NOVA YORK, 28 Out (Reuters) - Tentativas de salvar a petroleira de Eike Batista, carro-chefe do empresário e principal responsável pela derrocada de seu império industrial, têm sido prejudicadas por conflitos internos e decisões imprevisíveis do magnata brasileiro, disseram fontes com conhecimento direto da situação à Reuters.

A dificuldade de entender Eike, que há menos de 18 meses possuía a sétima maior fortuna do mundo, e sinais confusos de consultores e gerentes sobre suas empresas têm interrompido as tentativas de renegociar cerca de 5 bilhões de dólares em títulos e dívidas com bancos da OGX Petróleo e Gás Participações SA. Enquanto isso, a empresa está ficando sem dinheiro para manter suas operações em andamento.

Mesmo que novos investidores se interessem em investir em outras empresas do Grupo EBX, conglomerado de energia, mineração e logística de Eike, os conflitos e atrasos na OGX fazem com que o pedido de recuperação judicial, amplamente esperado pelos investidores, corra o risco de se tornar um caso confuso ao invés de abrir os caminhos para uma reestruturação suave, disseram as fontes.

Na pior das hipóteses, caso os atrasos continuem, a OGX pode até mesmo enfrentar uma liquidação, o que deixaria muito pouco para os credores, disse uma das fontes, embora este cenário seja considerado improvável.

Um pedido de recuperação judicial da OGX seria o maior da história de uma empresa latino-americana, segundo dados da Thomson Reuters. Ele seria não só um indicativo do tamanho da queda da estrela de Eike, mas também forneceria um duro teste à lei de falências do Brasil, criada há oito anos, sobre se ela oferece a proteção adequada aos credores.

O dramático declínio de Eike tornou-se um símbolo dos próprios problemas econômicos brasileiros após o fim de uma década de forte crescimento que tornou o Brasil uma das economias emergentes mais quentes do mundo. Caso os investidores estrangeiros não sintam que foram tratados de forma justa durante o processo de reestruturação, eles podem ficar menos dispostos a investir em outras empresas brasileiras.

Os atrasos na reestruturação deixaram a OGX sem dinheiro e correndo risco ter suas concessões de petróleo, principais ativos da empresa, revogadas pelo governo brasileiro. Embora a recuperação judicial não provoque um cancelamento automático das concessões, a OGX precisa encontrar dinheiro rapidamente para atender às exigências de gastos mínimos de capital do governo, disse a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em 17 de outubro

O período de 30 dias que a OGX tem para depositar 44,5 milhões de dólares em pagamentos de juros aos detentores de títulos termina na quinta-feira. A OGX vem tentando convencer os detentores de 3,6 bilhões de dólares em títulos a convertê-los em ações e a injetar mais 150 milhões na empresa para que ela não tenha que encerrar suas operações. A OGX ainda enfrentará um pagamento de 100 milhões de dólares em juros aos detentores de títulos em dezembro.   Continuação...

 
Eike Batista (direita) comparece a reunião no Palácio do Planalto em Brasília. Tentativas de salvar a petroleira de Eike Batista, carro-chefe do empresário e principal responsável pela derrocada de seu império industrial, têm sido prejudicadas por conflitos internos e decisões imprevisíveis do magnata brasileiro, disseram fontes com conhecimento direto da situação à Reuters. 22/03/2012 REUTERS/Ueslei marcelino