Confiança da indústria mostra recuo de 0,2% em outubro--FGV

terça-feira, 29 de outubro de 2013 08:43 BRST
 

SÃO PAULO, 29 Out (Reuters) - O Índice de Confiança da Indústria (ICI) recuou 0,2 por cento em outubro em relação ao que foi registrado no final de setembro, ao passar de 98,0 pontos para 97,8 pontos, menor nível desde julho de 2009.

Segundo dados divulgados nesta terça-feira pela Fundação Getúlio Vargas, o Índice da Situação Atual (ISA) recuou 0,8 por cento, para 98,1 pontos, a quinta queda consecutiva. Por outro lado, o Índice de Expectativas (IE) avançou 0,4 por cento, para 97,5 pontos, rompendo uma série de baixas.

"O resultado geral da pesquisa indica que o setor inicia o quarto trimestre de 2013 com o ritmo de atividade ainda fraco mas expectativas um pouco mais favoráveis em relação aos meses seguintes", avaliou a FGV.

O indicador que avalia o grau de satisfação com a situação atual dos negócios foi o que mais contribuiu para a queda do ISA, ao recuar 3,2 por cento, para 101,5 pontos, também menor nível desde julho de 2009.

A proporção de empresas que avalia a situação dos negócios como boa caiu de 23,1 por cento em setembro para 19,8 por cento em outubro, enquanto a parcela de empresas que a avaliam como fraca passou de 18,2 por cento para 18,3 por cento.

Em relação ao IE, o maior impacto veio do indicador de emprego previsto, que subiu 2,2 por cento, para 104,4 pontos, após quatro quedas seguidas.

A proporção de empresas que preveem ampliação no total de pessoal ocupado nos três meses seguintes subiu de 13,9 por cento em setembro para 14,8 por cento, enquanto as que preveem diminuição caiu de 11,7 por cento para 10,4 por cento.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) alcançou 84,1 por cento em outubro, ante 84,2 por cento em setembro.

A indústria brasileira vem mostrando dificuldade recorrente de firmar uma recuperação, tendo estagnado em agosto, no segundo mês seguido sem expansão, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

O IBGE divulga os números de setembro da produção industrial do país na próxima sexta-feira.

(Por Camila Moreira; Edição de Alexandre Caverni)