Dólar fecha com leve alta ante o real, à espera do Fed e BC

terça-feira, 29 de outubro de 2013 19:49 BRST
 

Por Bruno Federowski e Marília Carrera

SÃO PAULO, 29 Out (Reuters) - Sem grandes novidades e com os investidores mantendo suas expectativas sobre os próximos passos do Federal Reserve, banco central norte-americano, e sobre a rolagem dos swaps que vencem em novembro no Brasil, o dólar fechou com pequena alta ante o real nesta terça-feira.

No entanto, operadores afirmam que o próximo pregão tende a ser mais movimentado, com a proximidade da formação da Ptax de outubro na última sessão do mês. Segundo eles, a decisão do Fed também pode adicionar volatilidade na quarta-feira, mas o impacto é limitado porque o mercado não espera grandes novidades.

O dólar teve leve alta de 0,09 por cento, para 2,1819 reais na venda. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 2,7 bilhões de dólares, bem maior do que a média diária deste mês, de cerca de 1,1 bilhão de dólares.

De acordo com dois operadores de grandes bancos, o pico no volume veio de uma operação de forte saída de divisas protagonizada por uma grande empresa local. Segundo eles, contudo, o impacto sobre a cotação foi anulado pelo efeito dos leilões de swap do BC.

"O fluxo de notícias (nesta sessão) foi irrelevante perto do que o mercado espera", disse o gerente de operações do banco Confidence, Felipe Pellegrini.

Investidores trabalham com a expectativa de que o Fed vai adiar a redução do seu programa de compra de ativos, no valor de 85 bilhões de dólares mensais, pelo menos até o início do próximo ano, corroborando maior liquidez nos mercados internacionais.

Com isso, aguardam a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed, que acontece nesta terça e quarta-feira, em busca de sinais sobre o futuro da política monetária norte-americana.

"O grande destaque da semana fica para a reunião do Fomc", afirmou o gerente de análise da XP Investimentos, Caio Sasaki. "A redução dos estímulos acabou sendo postergada e a expectativa é de que ela ocorra só no ano que vem, com alguns contratempos como a paralisação do governo norte-americano tendo colaborado para isso", explicou.   Continuação...